Fórum da Baixada e ASSOPEMA discutem estudos sobre os Diques da Baixada

Nesta terça-feira (22) representantes do Fórum em Defesa da Baixada (FDBM) e da Associação de Pescadores e Pescadoras, Piscicultores, Aquicultores e Agricultura Familiar do Município de Matinha (ASSIPEMA) e da Superintendência da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) reuniram-se para tratar de assuntos ligados aos Diques da Baixada Maranhense.

A reunião aconteceu na sede da Codevasf, em São Luís, e reuniu a presidente da ASSOPEMA, Olidina Priscila Silva, o presidente Expedito Moraes e o vice-presidente Antonio valente, FBDM, e o superintendente regional da Codevasf no Maranhão, Celso Dias. O vice-prefeito de Matinha, Narlon Silva, também esteve presente à reunião.

O projeto Diques da Baixada Maranhense é um sistema composto por dois diques com extensão conjunta de cerca de 70, 45 quilômetros, a ser implantado na região da Baixada Maranhense. Ele deve ser capaz de acumular 600 milhões de metros cúbicos de pode beneficiar 193 mil pessoas em 8 municípios.

Desde 2017, a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) está em processo de contratação de cerca de R$ 7,4 milhões em serviços relacionados aos projetos.

O projeto Diques da Baixada Maranhense é um sistema composto por dois diques com extensão conjunta de cerca de 70, 45 quilômetros, a ser implantado na região da Baixada Maranhense. Ele deve ser capaz de acumular 600 milhões de metros cúbicos de pode beneficiar 193 mil pessoas em 8 municípios.

Desde 2017, a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) está em processo de contratação de cerca de R$ 7,4 milhões em serviços relacionados aos projetos.

Reunião na Codevasf em São Luís (Divulgação)

A elaboração do Estudo de Impacto Ambiental do projeto, e de seu respectivo Relatório de Impacto Ambiental, foi estimada em R$ 6,3 milhões; os serviços de levantamento cartográfico, por sua vez, foram estimados em R$ 3,6 milhões. Os recursos são Orçamento Geral da união, destinados à Codevasf por emenda parlamentar.

Segundo o superintendente regional da Codevasf, Celso Dias, em breve uma audiência pública vai ampliar as discussões sobre os investimentos na região.

Segundo a Codevasf, o projeto traz muitos benefícios como a proteção das áreas mais baixas contra a entrada de água salgada em região de água doce; contenção e armazenamento de água no período de da estação chuvosa nos campos naturais; aumento da disponibilidade de água no período de estiagem; desenvolvimento do setor primário; criação de de 3.000 postos de trabalho; redução do êxodo rural; incremente da produção agropecuária e da piscicultura; e promoção da cidadania e inclusão social. (Via Portal Matraca).

MATINHA 73 ANOS – Avenida Major Heráclito

MATINHA 73 ANOS – Avenida Major Heráclito

Autor Aroucha Filho*

Em todo o mundo, as cidades guardam referências que lhe são peculiares: museus, monumentos, fontes, palácios, catedrais, parques, teatros, praças, etc. são os locais mais procurados pelos turistas.

Eu, particularmente, sempre busco os museus e as igrejas, roteiros indispensáveis nas visitas às cidades que procuro conhecer.
As avenidas são sempre relevantes. Assim, temos: a Champs Élysées, em Paris, com seu destacado Arco do Triunfo; a 9 de julho em Buenos Aires, com o seu simbólico Obelisco; a Avenida da Liberdade, em Lisboa, com seus 90 metros de largura; em Santiago, a Avenida Libertador General O’ Higgins, mais conhecida como Avenida Alameda, com seus 8 km de extensão. Confesso que deixei a que mais frequento e adoro passear por último por ser muito especial. Trata-se da Avenida Paulista, onde sempre me hospedo em São Paulo. Tenho grande atração e intimidade com a Paulista. Frequento-a, quando em São Paulo, diariamente. Sou um assíduo frequentador do MASP.

No entanto, a Avenida que mais me encanta, que me fascina, é a avenida em que nasci no ano de 1951. Uma via mística, indelével na minha memória, com todo seu simbolismo histórico, charme e importância na vida da cidade.

Percorri todo esse caminho para me referir à Avenida Major Heráclito Alves da Silva, da cidade de Matinha – Maranhão. Tão importante para nossa cidade quanto às citadas anteriormente. Para mim, mais importante até.

A Avenida Major Heráclito nasceu junto com a cidade. Os primeiros traços de urbanização da sede do município foram implantados nesse logradouro. A marcante característica urbana, que se apresenta com suas ruas largas, teve origem no traçado dessa avenida, irradiando esse aspecto para as demais vias que foram se abrindo, com o processo de expansão urbanista da sede do município.
Com seus 1.300 metros retilíneos de extensão, por 17 metros de largura, em média, a Major Heráclito nasce na Avenida José Sarney, que até a década de 60 era denominada Rua João Pessoa, e se estende até a MA-014. Antes da construção da MA-014, chegava até o portão do Campo de Aviação.

O primeiro prédio era o Abrigo, local onde os passageiros aguardavam os aviões teco-teco que faziam linha (voos) para os municípios da Baixada Maranhense.

Do outro lado da avenida, a primeira casa era a residência do Sr. Teodomiro, bem próximo à cerca de proteção do aeroporto. Assim, a Avenida Major Heráclito foi, e ainda é, a via mais importante da cidade de Matinha, onde antes se concentrava todos os órgãos e serviços público dos três poderes, nas esferas municipal, estadual e federal.

Ficavam nesse logradouro a Coletoria Federal, a Agência de Estatística – IBGE e a Agência dos Correios e Telégrafos. Meu pai era o responsável pelos Correios. E nesse prédio público eu nasci e morei até o ano de 1961.

No mesmo terreno, logo depois dos Correios, por iniciativa do meu pai e outros moradores foi construído o Grêmio Recreativo Matinhense 15 de Fevereiro, local onde foram realizadas as melhores festas da sociedade matinhense por um longo período. Hoje, ali funciona a loja do Armazém Paraíba.

Os órgãos do poder estadual ali sediados eram a Delegacia, a Cadeia, o Hospital Dr. Afonso Matos, o Grupo Escolar Joaquim Inácio Serra e a Coletoria Estadual.

Quanto aos órgãos do Poder Municipal, a Câmara Municipal e as Secretarias, funcionavam na Prefeitura, imponente prédio com uma entrada principal rodeada de janelões e varanda interna em formato de L.

Na hoje residência do Sr. José Bonifácio, funcionou nas décadas de 50/60 um Colégio Municipal com duas salas de aula, o Coleginho, assim chamado por ser próximo, e bem menor, que o Grupo Escolar Joaquim Inácio Serra, na época a maior construção do município.

Na Major Heráclito funcionaram lojas expressivas para o comércio local; na esquina da Prefeitura, hoje local da casa da Sra. Livramento, funcionou o comércio do Sr. Antônio Neves. Naqueles tempos não havia luz elétrica em Matinha. Isso, na segunda metade dos anos 50.

O comércio do Sr. Antônio Neves era o principal distribuidor de querosene, combustível utilizado para alimentar as “lamparinas, única fonte de iluminação das residências. Rara era a residência matinhense que possuía “Petromax”.

Por ocasião da posse do Prefeito João Amaral da Silva, segundo prefeito eleito de Matinha, um foguete atingiu o depósito onde eram guardadas as latas de querosene, provocando um grande incêndio. O primeiro grande incêndio registrado em nossa Cidade. Posteriormente, esse ponto comercial foi adquirido pelo Sr. João Amaral Nunes, conhecido como João Barata, que ali instalou uma grande loja de tecidos, armarinhos e utensílios domésticos. No outro canto funcionava o comércio do Sr. João Lima, uma mercearia e bar com uma bela mesa de jogo de bilhar.

O mais importante comércio da avenida pertencia ao Sr. Manoel Antônio da Silva, primeiro Prefeito de Matinha, nomeado para instalar o município e promover a primeira eleição, na qual foi eleito o primeiro Prefeito de Matinha, o Sr. Aniceto Mariano Costa.
Esse comércio funcionava em uma loja geminada à residência do Sr. Manoel Silva, e ali vendiam de tudo.

O senhor Manoel adquiria e exportava para São Luís gêneros produzidos ou produtos extraídos no município: amêndoas de babaçu, tucum, farinha, arroz, etc.

Não tenho certeza, porém, creio que a primeira padaria de Matinha funcionou ali nos anos de 1949 a 1953. Tinha como padeiro chefe o senhor Ribamar Muniz (Ribamar de Honório), auxiliado por Nelson Alves e Francisco Gomes da Silva (Chico Padeiro). Em seguida, essa padaria foi adquirida pelo seu genro Sr. Arnaldo Lindoso, o qual ficou até o ano de 1963. A Padaria São José era avançada, para a época, e seus produtos eram distribuídos em todo o território do município, com destaque para o pão de massa fina e massa grossa, pão doce, bolacha doce, biscoito e a famosa bolachinha.

Eu, como vizinho e amigo dos seus filhos Carlos Eduardo e Carlos Antônio, tinha como divertimento arrumar as bolachinhas na fôrma antes de ir ao forno para serem assadas. Isso, claro, nos dava o direito de nos deliciarmos com boa porção desse tradicional produto matinhense.

As melhores casas residenciais eram as da Av. Major Heráclito, em sua maioria de alvenaria e telha. Nesses tempos ainda predominavam as casas construídas com taipa e palha.

A avenida já ostentava um belo conjunto arquitetônico, composto pelo prédio da prefeitura, o Grupo Escolar, o prédio do hospital, o prédio dos Correios, e a imponente casa do Sr. Manoel Silva, com sua bela escadaria interna e o piso em sobrado de madeira de lei.

Nas imediações da casa do Sr. Sebastião Neves existia duas belas casas no estilo “bangalô”, as primeiras desse tipo arquitetônico da cidade. De propriedade do município, essas edificações tinham plantas bem diferentes da arquitetura local. Era um estilo arquitetônico com linhas modernas, acesso por corredor descoberto e porta ao fundo. Cumeeira no sentido perpendicular à avenida, teto com duas águas, e sem os usuais “espigões”.

Duas barragens de contenção, construídas de alvenaria, existiam na avenida para evitar erosão e facilitar a acessibilidade das pessoas no período invernoso. Eram implantadas no sentido longitudinal à avenida. A primeira, a maior, foi construída na década de 50, e ficava frontal à Praça de Eventos. Era longa, bem construída e possuía uma grande galeria por onde escoavam as águas pluviais que se acumulavam em grande volume naquela área. A outra ficava nas imediações do Depósito Leal, e tinha a mesma finalidade. Não possuí galeria, apenas um recorte por onde era drenada a água que escorria do transbordamento da Baixa de Crisóstomo. Suas águas alimentavam o Igarapé de Pito. As da outra barragem, o Igarapé do Gongo.

Em uma noite da década de 50, em procissão iluminada por velas, a comunidade católica saiu da Igreja de São Sebastião conduzindo uma grande cruz. Eu participei desse evento religioso. Seguimos até às imediações da Padaria de Benedito de João Lima, onde foi implantada uma grande cruz de madeira, na cor ocre, bem no centro da avenida. Era um grande monumento da fé, por todos chamado “O Cruzeiro”, que ali permaneceu por décadas. Em sua base de dois degraus, reuniam-se moradores para longas conversas ao final da tarde. Lamentavelmente, não foi preservado.

O primeiro Mercado de Matinha também funcionou na Major Heráclito, e ficava próximo à esquina da Prefeitura.

Nessa avenida vivi alegre e feliz toda a minha infância e carrego até hoje as amizades dessa infância. Todas as brincadeiras permitidas pratiquei nesse belo logradouro. Joguei bola, empinei papagaio, andei de perna de pau, rodei ladeira a baixo dentro de pneus, joguei bolinha de vidro, peão feito de coco babaçu, jogo de chucho, banhei na Baixa de Crisóstomo, andei de bicicleta. Enfim, fiz muitas estripulias por ali. E hoje, em homenagem aos 73 anos de emancipação política de Matinha, falar dessa imponente Avenida é o meu contentamento.

Parabéns Matinha!
Parabéns, minha terra querida!

José Ribamar Aroucha Filho (Arouchinha) é natural do município de Matinha-MA, Engenheiro Agrônomo aposentado do INCRA, exerceu os cargos de Executor do Projeto Fundiário do Vale do Pindaré e Executor do Projeto Colonização Barra do Corda. Ex Superintendente do INCRA Maranhão. Foi Superintendente da OCEMA e Chefe de Gabinete da SAGRIMA.

HISTÓRICO DO PROJETO BOSQUES DA BAIXADA

HISTÓRICO DO PROJETO BOSQUES DA BAIXADA

I – IMPLANTAÇÃO DO PRIMEIRO BOSQUE

O Fórum em Defesa da Baixada Maranhense (FDBM) lançou, em 2018, na gestão de Ana Creusa, a proposta de institucionalizar o projeto “Bosques da Baixada”, sob a coordenação dos professores José Ribamar Gusmão Araújo e Jucivam Ribeiro Lopes da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), ambos filhos de Bequimão. A ideia inicial foi resgatar e valorizar espécies representativas e tradicionais da flora dos municípios da Baixada.

O BOSQUE DOS PARICÁS foi o 1º bosque implantado. O projeto “Paricás em Paricatiua: um sonho possível” ou popularmente denominado “Bosque dos Paricás”, teve as mudas plantadas em 26/01/2019 na comunidade Paricatiua, município de Bequimão. O referido Bosque foi viabilizado partir da iniciativa e trabalho de diversos forenses e sob a inspiração do professor José de Jesus Lemos da Universidade Federal do Ceará (UFC), filho de Paricatiua.

IMAGENS: VIVEIRO DA UEMA – LOCAL DE PRODUÇÃO DAS MUDAS DE PARICÁS

II – LANÇAMENTO DO “BOSQUE DAS MANGUEIRAS” EM MATINHA

No dia 26/08/2018 em Evento do Fórum da Baixada em Matinha, foi lançado o Projeto Bosque das Mangueiras em Matinha, com a presença da Prefeita Linielza. Na oportunidade, o Prof. Gusmão, após apresentar o projeto do Bosque dos Paricás, lançou o desafio para Matinha ao parafrasear Geraldo Vandré “pra não dizer que não falei das Mangas” e reforçou que o “itinerário e modelo dos Paricás poderia ser um bom guia para Matinha e pra toda a Baixada”. A escolha da fruteira mangueira guarda relação com o fato de Matinha ser considerada a capital dessa fruta na Baixada. Neste Bosque serão inseridas mudas de mangas de “tipos/variedades” representativas (tradicionais ou históricas) das várias comunidades do Município.

IMAGEM: EVENTO DO FDBM NA COMUNIDADE PONTA GROSSA/MATINHA (26/08/2018).

III – ESCOLHA DO LOCAL PARA IMPLANTAÇÃO DO BOSQUE

 A partir de articulação local do forense César Brito, os líderes comunitários do Povoado Graça fizeram a doção do terreno.  No espaço escolhido reside uma comunidade quilombola que acolheu o projeto, sendo esta visitada e aprovada pelos forenses em 11 de janeiro de 2019. Na verdade, nessa área que possui 2 (dois) hectares, com vegetação preservada e nascente de águas, viceja a possibilidade de se ampliar a ideia inicial de “Bosque das Mangueiras” para “Parque Ambiental de Matinha”, decisão que cabe ao executivo municipal. Destaca-se que a referida comunidade tem grande diversidade de mangueiras e uma variedade em particular, centenária, denominada “Graça”, foi resgatada para o Bosque.

IMAGENS: VISITA DOS FORENSES À COMUNIDADE GRAÇA/MATINHA (11/01/2019).

IV – COLETA DE RAMOS E PREPARAÇÃO DAS MUDAS PARA O BOSQUE DAS MANGUEIRAS/MATINHA

A primeira fase de produção das mudas consistiu na semeadura dos caroços de manga no viveiro da Fazenda Escola de São Luís – Curso de Agronomia/UEMA, no início de 2020. O objetivo foi formar os “cavalos” (porta-enxertos) sobre os quais seriam enxertadas as variedades de manga de Matinha.

No 16 de outubro de 2020, o Fórum em Defesa da Baixada Maranhense (FDBM) fez uma visita técnica ao município Matinha, para coleta de ramos de mangueiras para enxertia, visando a preparar as mudas para plantio do Bosque das Mangueiras, sob a coordenação técnica do Prof. Gusmão, Engenheiro Agrônomo da UEMA. Na ocasião realizou-se nova visita à comunidade Graça para se confirmar a área de plantio das mudas e comprometer a comunidade com os cuidados do futuro do Bosque.

IMAGEM: VISITA DOS FORENSES A MATINHA PARA COLETA DE RAMOS DE MAGUEIRAS (16/10/2020).

Foram coletados ramos de 7 (sete) variedades de mangueiras de Matinha, assim denominadas: ÁGUA VIVA, CONSTANTINA, TERESINHA, CESAR BRITO, PÊRA, GRAÇA E LOLICO. A mudas permaneceram 15 meses no Viveiro da UEMA e foram retiradas pelo forense Cesar Brito em 07/04/2021. Em razão da pandemia o plantio foi transferido para o início de 2022.

IMAGEM: MUDAS DE MANGUEIRA NO VIVEIRO DA UEMA (ABRIL/2021).

V – QUANTIDADE DE MUDAS PARA FORMAR O BOSQUE

                Serão plantadas um total de 47 mudas.

Espaçamento: 8,0m x 7,0m (8m entre fileiras e 7m entre plantas)

 VI – GUARDIÕES DO BOSQUE

            Os guardiões do Bosque/Parque são os moradores do Povoado Graça, sob o comando do líder da comunidade, Manoel.

Entre as responsabilidades compartilhadas pela Comunidade, cita-se: proteção e manutenção da área, capinas/coroamentos, adubação e podas e ampliação do Bosque com o plantio de outras variedades. Técnicos locais devem passar as devidas orientações. Estima-se que entre dois e três anos terá início a produção de frutos, os quais poderão ser utilizados para consumo das famílias e venda no mercado local. Acrescente-se que o Bosque também é lugar da prática sobre educação ambiental.

VII – PERSPECTIVAS DE NOVOS BOSQUES

– Bosque em Peri-Mirim (falta definir a espécie; gestor local: Ana Cléres)

– Bosque das Araribas em Viana (gestor local: Luís Henrique)

OBS: A Diretoria do FDBM deve prospectar nos demais municípios o interesse nos projetos de Bosque.

VIII – VIVEIROS DE PRODUÇÃO DE MUDAS

           A Diretoria do FDBM e os gestores do projeto “Bosques da Baixada” incentivam e propõem que os gestores municipais envidem esforços para a implantação de Viveiros de produção de mudas não só com o objetivo de abastecer a implantação de Bosques, mas também para fomentar programas/projetos produtivos locais. Cita-se como bom exemplo Anajatuba que recentemente construiu seu viveiro telado na sede do município, por meio da secretaria de Agricultura, com recursos próprios.

         A estratégia é que cada município elabore e apresente o “projeto de viveiro telado” às secretarias e/ou instituições estaduais ou federais, além de priorizar a construção com recursos próprios. Em seguida, instituições como UEMA, IFMA, UFMA e outras podem realizar treinamentos e capacitações a técnicos e produtores locais acerca dos processos de produção de mudas.

José Ribamar Gusmão Araújo

Jucivam Ribeiro Lopes

 Ana Creusa Martins dos Santos

Expedito Nunes Moraes

A POROROCA E A SARAFINA

A POROROCA E A SARAFINA

Por Expedito Moraes

Em sua origem tupi “pororoca” quer dizer algo como “causar um grande estrondo”. E foi esse o nome escolhido para nomear um dos mais impressionantes fenômenos da natureza, que ocorre quando o mar invade um rio na forma de uma grande onda que se choca contra a corrente fluvial, podendo atingir até quatro metros de altura.

Nas luas cheias e novas, as marés crescem bastante no Golfão Maranhense, chegando em alguns meses a alcançar mais de sete metros acima da lâmina de baixa-mar. De modo que invade o estuário do Mearim e avança furiosamente pelos rios Mearim e Pindaré, invertendo a corrente do rio. Nestas fases da lua, a velocidade da correnteza rio acima é muito maior, e permanece durante quase três horas, elevando a lâmina d’água até o cimo das barreiras. Principalmente, entre os meses de março e abril ou setembro a dezembro.

Nasci na margem direita do Rio Pindaré, no povoado Cachoeira, Município de Cajari. Do lado esquerdo é Viana.

Nessa época não existia assoreamento. As matas ciliares estavam perfeitas, o rio era altamente navegável, não havia estradas na região, e as lanchas de grande porte faziam o transporte de cargas e passageiros da cidade de Pindaré até São Luís, passando pelas demais localidades ribeirinhas.

Durante o inverno (período chuvoso), essas embarcações faziam tal percurso em 24 a 30 horas. No verão (período de estiagem), a viagem podia durar até 72 horas. E quem determinava esse tempo eram as marés, pois com o leito mais seco, os navegantes obrigavam-se a fundear em vários trechos para esperar a maré, até que esta elevasse a lamina d’água e evitasse o encalhe nas croas.
Ocorre que, quanto mais as embarcações se aproximavam do estuário, maiores eram as pororocas.

Lembro de muitos naufrágios e ameaças ocorridos quando eu ainda era criança. Havia um determinado lugar entre a Boca do Rio Mearim (local do encontro do Pindaré com o Mearim) e o Porto da Gambarra, chamado Malhadinha, que era o terror dos embarcadiços.

Fundear no Canto do Lago, local mais profundo com o canal passando junto às altas barreiras e mangueiros, já se tornara obrigatório. As embarcações eram amarradas com grossos cabos de manilha, com o ferro (âncora) arriado, para esperar a passagem da pororoca e poder atravessar a Malhadinha sem perigo.

Essa parada forçada durava de seis a oito horas. Rezava-se para que isto não acontecesse à noite, e, se fosse o caso, que não chovesse, e chovendo, que não fosse com trovoadas. E caso tudo isso acontecesse, que não fizesse frio. Imagine um cenário desse com as terríveis muriçocas, tão comuns nesses locais. Nem se podia abrir a boca. Quando o timoneiro da embarcação por imperícia ou imprudência não esperava a maré se encher nesse “fundiador” seguro e aventurava-se a atravessar a tenebrosa Malhadinha, corria grande risco de encalhar nas suas imensas croas ou bancos de areia, o que poderia redundar em naufrágio.

Ocorre que, esse pedaço do rio tinha o solo composto por um tipo de material que chamavam de “esmeril”, que transformava essas croas em areia movediça. Com o peso da embarcação, da carga (normalmente com 1.200 a 2.000 sacas de arroz e babaçu nos porões e por cima do convés), dos passageiros, animais e bagagens, corria um risco enorme de encalhar e ser tragada pela croa. À proporção que a maré baixava, a lancha ia sendo sugada e terminava ficando presa na croa.
O verdugo é uma peça de madeira forte que vai de um extremo a outro das embarcações, e, além de protegê-las de danos em choque com outros obstáculos, serve como limite entre o casco e convés. Quando a lâmina d’água ultrapassa essa peça é sinal de que a embarcação está com excesso de carga e corre perigo de ter seus porões invadidos pela água diante de banzeiros e pororocas. Da mesma forma, num encalhe desse tipo, é certo ter seu casco enterrado até à altura do verdugo. Isto é como uma sentença de morte – naufrágio certo.

Naquele trecho a Pororoca vinha com mais de cinco metros de altura e com uma força descomunal, de modo que alagava, e até emborcava, a embarcação, que, assim enterrada, pesada e imóvel, com a hélice e o leme presos na areia, não obedecia a nenhum comando.

Numa situação assim, restava esperar por um milagre. Wady Sauáia em “Cenas que Ficam”, proprietário da lancha Afife, assim descreve este fenômeno que ocorria no local: “Falo, então, para o Dizim que se encaminhe para o Corredor da Morte, pois queria ver se aquela onda se formaria da mesma forma que no dia anterior. Não demorou e bem a nossa frente avistamos um verdadeiro “Monstro” de água e espuma marrom que avançava furiosamente destruindo a margem e levando tudo que encontrava pela frente.” Esse era o cenário, e foi essa imagem que ficou também na minha memória. Não tinha como não sentir pavor.

É preciso registrar que, tanto na citação do autor como na minha, as lanchas estavam flutuando, e não encalhadas. Mas, mesmo assim era perigoso. Podia emborcar; no terrível choque do casco com a pororoca e as seguidas ondas “cavaleiros”, poderia sacar uma das tábuas do casco, passar por cima do porão, o que, caso não estivesse vedado por resistentes planchas e encerados, poderia enche-lo de água ou quebrar o leme, e a lancha ficaria à deriva sobre as ondas.

Pois, em 1956, foi exatamente com um “monstro” desse que, numa noite de lua nova, quando ela é maior, por volta das 19 horas a SARAFINA (em hebraico significa “aquela que protege o trono de Deus”) encontrou na Malhadinha, e “se perdeu”.

A lancha estava enterrada até o verdugo, imóvel e pesada, e a Pororoca passou por cima levando tudo que podia. A maré subia velozmente, a escuridão mais parecia um breu, e os passageiros subiram até o segundo toldo e começaram a queimar roupas na esperança de serem vistos por alguma embarcação.

Ocorre que, naquela época essa região era totalmente inóspita, ninguém habitava por ali. E, mesmo que tivesse alguém por perto, teria que dispor de uma outra embarcação capaz de abrigar os muitos passageiros e tripulantes.

Mas, milagres acontecem. Eis, que surge ao longe as luzes de uma embarcação. A correnteza era imensa. Todos queimavam as roupas, desesperados, porque, se demorasse muito, a água poderia chegar ao último toldo, e a morte seria certa. Mesmo para quem soubesse nadar, na escuridão, com a correnteza e água agitada, o nadador não saberia para que lado estaria a terra.

Porém, finalmente a embarcação se aproximou e conseguiu resgatar todos que estavam ali.

No dia seguinte, pela manhã, ficamos surpresos com o repentino desembarque no porto da nossa casa, dos muitos sobreviventes trazidos pela bendita lancha salvadora.

Todos foram aconselhados a ficar em nossa casa para esperar a lancha, da qual meu pai era o comandante, para levá-los aos seus Municípios.
Era desesperador. Alguns choravam, ainda apavorados. Outros, lamentavam as perdas, pois não conseguiram salvar nada. Outros, ainda, agradeciam a Deus por estar vivos. Os sobreviventes estavam com fome, sujos e sem roupas para trocar. Minha família fez rápida campanha para adquirir vestimentas para essas pessoas que ficaram só com a roupa do corpo.

Expedito Moraes
18/03/2020

FÓRUM DA BAIXADA ACOMPANHA A ASSINATURA DO CONTRATO DE CONCESSÃO DO SERVIÇO PÚBLICO DE FERRYBOAT NO MARANHÃO

FÓRUM DA BAIXADA ACOMPANHA A ASSINATURA DO CONTRATO DE CONCESSÃO DO SERVIÇO PÚBLICO DE FERRYBOAT NO MARANHÃO

GOVERNO REALIZA ASSINATURA DO CONTRATO DE CONCESSÃO DO SERVIÇO PÚBLICO DE FERRYBOAT NO MARANHÃO

O Fórum em Defesa da Baixada Maranhense (FDBM), por meio do seu presidente, Expedito Moraes e Ana Creusa, acompanhou a assinatura, através da Agência Estadual de Mobilidade Urbana e Serviços Públicos (MOB), realizou, na manhã desta quinta-feira (9), a solenidade de assinatura do Contrato de Concessão do Serviço Público de Transporte Aquaviário Intermunicipal. O serviço de ferryboat foi licitado pela primeira vez no Maranhão e trará benefícios para a sociedade que utiliza esse meio de transporte, atendendo as necessidades dos usuários que utilizam o serviço, além idealizar e concretizar um compromisso do Governo com todos os maranhenses, sobretudo, com os que residem e trabalham na Baixada, garantindo mais acessibilidade e desenvolvimento econômico e social para o Maranhão.

“Esse é um processo que a MOB tem conduzido há bastante tempo, desde o início da gestão do governador Flávio Dino, e agora chegamos ao final do processo licitatório para o transporte aquaviário entre São Luís/Cujupe e que se culmina hoje com a assinatura do contrato. É um grande marco para o Maranhão e em um curto prazo teremos novas embarcações e constantes melhorias no serviço”, pontou o presidente da MOB, Daniel Carvalho.

No processo licitatório da Concorrência Pública de nº 001/2021-MOB duas empresas estavam concorrendo: Internacional Marítima e Celte Navegação. A Internacional Marítima venceu o lote I e a Celte Navegação venceu o lote II, e desta forma serão duas empresas operando no sistema em um prazo de 90 dias da data da assinatura da ordem de serviço, realizada nesta quinta-feira (9).

“Teremos mais disponibilidade de novos ferrys e novos horários para que a população que necessita tanto desse serviço, para que o ir e vir do dia a dia seja garantido de forma mais rápida e eficiente, com melhores acomodações e melhorias de modo geral”, explicou Marcel Lopes, diretor de operações aquaviárias e aeroviárias da MOB.

“Definitivamente é um novo momento para o serviço de ferryboat, com mais investimentos e também trazendo melhorias para os usuários dos ferrys e consequentemente dos terminais, acompanhando, assim, o crescimento desse serviço tão importante para a população”, destacou Ted Lago, presidente da EMAP.

O contrato de concessão terá duração de 20 anos podendo ser prorrogado por mais 20 anos. Com o contrato, as empresas agora têm segurança jurídica e podem investir em melhorias. O documento já assinado também rege que as empresas têm um prazo de 90 dias para iniciar as operações com os ferrys de acordo com as cláusulas do contrato.

“Pela primeira vez o Estado do Maranhão toma a iniciativa de conceder uma concessão para a iniciativa privada e isso possibilita que o investimento seja de fato feito. Nossa pretensão é atender essa demanda, voltada com bons resultados para a população com embarcações mais adequadas, seguras e confortáveis e que tudo possa fluir de modo que consigamos atender a população”, afirmou Luiz Carlos, presidente da Internacional.

“A nossa ideia é proporcionar um serviço melhor que o que está sendo proporcionado atualmente, justamente o motivo da licitação, melhorar o serviço. Oferecer embarcações melhores, equipamentos melhores, um serviço mais confortável e aproveitar a mão de obra local, de preferência”, frisou Sérgio Maia, diretor da empresa Celte.

Várias autoridades acompanharam a solenidade de assinatura do Contrato de Concessão do Serviço Público de Ferryboat no Maranhão. Participaram da solenidade: a promotora de Justiça, Lítia Cavalcante; o procurador geral de Justiça, Eduardo Nicolau; o presidente da EMAP, Ted Lago; dentre outros.

Fonte: https://www.ma.gov.br/agenciadenoticias/

Expedito Moraes é eleito presidente do Fórum em Defesa da Baixada Maranhense

Expedito Moraes é eleito presidente do Fórum em Defesa da Baixada Maranhense

O presidente eleito possui credenciais para realizar uma gestão eficiente e comprometida com o desenvolvimento sustentável das microrregiões da Baixada e Litoral Ocidental maranhenses. Ele já exerceu funções de destaque na sociedade, como Deputado Estadual e Assessor Legislativo. Expedito Moraes é natural de Cajari, é sócio fundador do Fórum em Defesa da Baixada Maranhense (FDBM) e já exerceu o cargo de 1º Vice-Presidente.

A eleição da 4ª diretoria do FDBM ocorreu no dia 7/12/2021 no espaço do Restaurante Picuí Tábua de Carne, na Cohama em São Luís. A solenidade de eleição e posse foi presidida por Flávio Braga que fez os cumprimento aos forenses e às autoridades presentes. Falou dos projetos do FDBM que estão em andamento.

Franqueada a palavra, o vereador Marcial Lima falou da importância do FDBM para os baixadeiros e que grande parte da população de São Luís é formada por baixadeiros. Outros forenses usaram da palavra, como Valmir Abreu, Elinajara, João Silveira e outros, sempre enaltecendo a importância do Fórum da Baixada.

O representante do Vice-Governador Carlos Brandão recebeu uma lista de reinvindicações de obras e melhoramentos para a Baixada, em especial os diques da Baixada e outras outras estruturantes.

O presidente eleito, em sua fala explicou a origem do slogan da sua gestão “NOVOS CAMINHOS”, ocasião em que a assembleia o saudou com aplausos de gestos de gratidão, por aceitar presidir o Fórum da Baixada pelos próximos dois anos. 

Todos saíram da solenidade com a certeza de que o FDBM está em boas mãos, pois além das credenciais do presidente,  ele ainda conta com uma equipe multidisciplinar e valorosa de forenses, conforme se pode comprovar pela relação abaixo em que consta os eleitos para a Diretoria Executiva e Conselho Fiscal no biênio 2021-2023:

EXPEDITO NUNES MORAES, Presidente; ANA CREUSA MARTINS DOS SANTOS, 1º Vice-Presidente; ANTÔNIO VALENTE LOBATO, 2º Vice-Presidente; ANTÔNIO JOSÉ MARTINS, Presidente de Honra; WEWMAN FLÁVIO ANDRADE BRAGA, Presidente de Honra; ELINAJARA PEREIRA CASTRO, 1ª Secretária; GRACILENE DO ROSÁRIO PINTO PEREIRA, 2ª Secretária; ALBERTO LEITE MUNIZ, 1° Tesoureiro; ALEXANDRE AYRTON MUNIZ DE ABREU, 2º Tesoureiro. CONSELHO FISCAL TITULARES: JOSÉ RIBAMAR GUSMÃO ARAÚJO; JOSÉ RIBAMAR AROUCHA FILHO; JOÃO MUNIZ SILVEIRA. CONSENHO FISCAL SUPLENTES: VALMIR FERREIRA ABREU; ANTÔNIO FRANCISCO DE SALES PADILHA e NARLON SANTOS SILVA.

 

 

 

O Fórum da Baixada promoverá Confraternização e eleição da nova Diretoria e Conselho Fiscal

O Fórum da Baixada promoverá Confraternização e eleição da nova Diretoria e Conselho Fiscal

A votação será realizada no espaço do Restaurante Picuí Tábua de Carne, localizado Av. Daniel de La Touche, 1040 – Cohama – São Luís – MA, às 18:00 horas do dia 7 de dezembro de 2021 (terça-feira). A eleição para a Diretoria Executiva e Conselho Fiscal será realizada por votação direta e secreta para um mandato de 2 (dois) anos. Na mesma ocasião será realizada a Confraternização de Final

A Diretoria Executiva é o órgão de representação da Sociedade em Defesa da Baixada Maranhense, eleita simultaneamente com o Conselho Fiscal, e será constituída do Presidente, primeiro Vice-Presidente, segundo Vice-Presidente, Primeiro e Segundo Secretários e Primeiro e Segundo Tesoureiros. O Conselho Fiscal é constituído por 3 (três) membros efetivos e seus respectivos suplentes.

As chapas que concorrerão à eleição serão compostas para todos os cargos previstos no Estatuto e poderão ser registradas até 72 (setenta e duas) horas antes da data do pleito, mediante comunicação à Sociedade em Defesa da Baixada Maranhense e em 24 (vinte e quatro) horas antes da data da eleição, deverá ser dada publicidade sobre a composição de todas as chapas inscritas, conforme Edital abaixo:

 

Fórum da Baixada parabeniza a Rádio e TV Maracu pelos seus 31 anos

PARABÉNS À RÁDIO E TV MARACU POR MAIS UM ANO DE RELEVANTES SERVIÇOS PRESTADO AO MARANHÃO, ESPECIALMENTE À BAIXADA MARANHENSE.

Nós, que compomos o Fórum em Defesa da Baixada Maranhense (FDBM), somos testemunha e orgulha-nos tê-la como parceira que sempre está de portas e braços abertos para difundir as nossas mensagens e que tanto tem estado junto nessa nobre missão de comunicar-se com todos, de forme democrática e universal.

Nossa homenagem, reconhecimento, e gratidão a todos que fazem com competência, responsabilidade e compromisso desse poderoso veículo de comunicação.

Em nome do seu Diretor BENITO, parabenizamos todos.

Expedito Moraes

1º Vice Presidente do FDBM

URGENTE: O Campus de São Bento da UEMA oferece o Curso de Tecnologia em Fruticultura

URGENTE: O Campus de São Bento da UEMA oferece o Curso de Tecnologia em Fruticultura

A Universidade Estadual do Maranhão (UEMA) – campus São Bento/MA está oferecendo o curso superior de TECNOLOGIA EM FRUTICULTURA.

O curso será presencial, com três anos de duração. Com áreas de atuação: 1) Pesquisa e Desenvolvimento; 2) Projeto junto a Produtores e 3) Cadeia Produtiva da Fruticultura.

O acesso será via Vestibular PAES. https://www.paes.uema.br/

O curso de Tecnologia em Fruticultura visa à formação de profissionais qualificados para atuarem na cadeia produtiva da fruticultura. Dessa forma, a Universidade visa contribuir e estimular o desenvolvimento da economia regional. Os profissionais dessa área estarão habilitados para planejar, projetar, gerenciar e executar empreendimentos voltados para a produção de frutas. Eles também podem elaborar e executar projetos agrícolas que compreendem a implantação, cultivo, produção, colheita e pós-colheita de frutas. Além disso, podem fiscalizar, elaborar relatórios e pareceres sobre o controle de qualidade, classificação e certificação de frutas. Podem ainda fazer vistorias, realizar perícia, avaliar, emitir laudo e parecer técnico em sua área de formação, entre outras atribuições.

O período para solicitação de isenção já iniciou: 22/11/2021 a 17/12/2021.

As informações foram fornecidas pelo Diretor do Curso, o Pós-doutor em Agroecologia, Prof. Dr. Augusto César Vieira Neves Junior e Prof. Dr. José Ribamar Gusmão Araújo, doutor em Agronomia (Horticultura) e Fruticultura da UEMA e membro do Fórum em Defesa da Baixada Maranhense, responsável técnico pelo Projeto Bosques da Baixada.

Feira de Troca de Mudas, Sementes e Saberes na Ação de Graças na Jurema

A Academia de Letras, Ciências e Artes Perimiriense  (ALCAP) participou da IV Ação de Graças na Jurema, dia 20 de novembro de 2021, durante o evento promoveu, por meio do Projeto Plantio Solidário, a primeira Edição da Feira de Troca de Mudas, Sementes e Saberes.

O objetivo da feira é preservar a biodiversidade, promover a educação ambiental e estimular a alimentação saudável e orgânica, que foi coordenada pro Jessythannya Santos. As mudas foram fornecidas pela UEMA, por meio do Prof. Dr. Gusmão Araújo e pela comunidade interessada na troca das mudas.

Além de mudas de hortaliças, legumes e vegetais, foram trocadas plantas ornamentais, como por exemplo, flores e cactos, bem como frutíferas e não-frutíferas, plantas medicinais, sementes e muito conhecimento. Contudo, por ser um evento gratuito e não possuir inscrição não foi registrada a quantidade de plantas disponíveis. Para participar, bastou levar uma muda e/ou sementes, para troca ou doação no local.

O evento deste ano não contou com a participação do engenheiro agrônomo ou outro especialista, Mas algumas orientações foram repassadas.

A feira, conforme relatou a coordenação, foi muito bem aceita pela comunidade, pois agregou conhecimentos sobre cultivo e ecologia, os quais foram compartilhados pelos participantes.