O Fórum da Baixada promoverá Confraternização e eleição da nova Diretoria e Conselho Fiscal

O Fórum da Baixada promoverá Confraternização e eleição da nova Diretoria e Conselho Fiscal

A votação será realizada no espaço do Restaurante Picuí Tábua de Carne, localizado Av. Daniel de La Touche, 1040 – Cohama – São Luís – MA, às 18:00 horas do dia 7 de dezembro de 2021 (terça-feira). A eleição para a Diretoria Executiva e Conselho Fiscal será realizada por votação direta e secreta para um mandato de 2 (dois) anos. Na mesma ocasião será realizada a Confraternização de Final

A Diretoria Executiva é o órgão de representação da Sociedade em Defesa da Baixada Maranhense, eleita simultaneamente com o Conselho Fiscal, e será constituída do Presidente, primeiro Vice-Presidente, segundo Vice-Presidente, Primeiro e Segundo Secretários e Primeiro e Segundo Tesoureiros. O Conselho Fiscal é constituído por 3 (três) membros efetivos e seus respectivos suplentes.

As chapas que concorrerão à eleição serão compostas para todos os cargos previstos no Estatuto e poderão ser registradas até 72 (setenta e duas) horas antes da data do pleito, mediante comunicação à Sociedade em Defesa da Baixada Maranhense e em 24 (vinte e quatro) horas antes da data da eleição, deverá ser dada publicidade sobre a composição de todas as chapas inscritas, conforme Edital abaixo:

 

Fórum da Baixada parabeniza a Rádio e TV Maracu pelos seus 31 anos

PARABÉNS À RÁDIO E TV MARACU POR MAIS UM ANO DE RELEVANTES SERVIÇOS PRESTADO AO MARANHÃO, ESPECIALMENTE À BAIXADA MARANHENSE.

Nós, que compomos o Fórum em Defesa da Baixada Maranhense (FDBM), somos testemunha e orgulha-nos tê-la como parceira que sempre está de portas e braços abertos para difundir as nossas mensagens e que tanto tem estado junto nessa nobre missão de comunicar-se com todos, de forme democrática e universal.

Nossa homenagem, reconhecimento, e gratidão a todos que fazem com competência, responsabilidade e compromisso desse poderoso veículo de comunicação.

Em nome do seu Diretor BENITO, parabenizamos todos.

Expedito Moraes

1º Vice Presidente do FDBM

URGENTE: O Campus de São Bento da UEMA oferece o Curso de Tecnologia em Fruticultura

URGENTE: O Campus de São Bento da UEMA oferece o Curso de Tecnologia em Fruticultura

A Universidade Estadual do Maranhão (UEMA) – campus São Bento/MA está oferecendo o curso superior de TECNOLOGIA EM FRUTICULTURA.

O curso será presencial, com três anos de duração. Com áreas de atuação: 1) Pesquisa e Desenvolvimento; 2) Projeto junto a Produtores e 3) Cadeia Produtiva da Fruticultura.

O acesso será via Vestibular PAES. https://www.paes.uema.br/

O curso de Tecnologia em Fruticultura visa à formação de profissionais qualificados para atuarem na cadeia produtiva da fruticultura. Dessa forma, a Universidade visa contribuir e estimular o desenvolvimento da economia regional. Os profissionais dessa área estarão habilitados para planejar, projetar, gerenciar e executar empreendimentos voltados para a produção de frutas. Eles também podem elaborar e executar projetos agrícolas que compreendem a implantação, cultivo, produção, colheita e pós-colheita de frutas. Além disso, podem fiscalizar, elaborar relatórios e pareceres sobre o controle de qualidade, classificação e certificação de frutas. Podem ainda fazer vistorias, realizar perícia, avaliar, emitir laudo e parecer técnico em sua área de formação, entre outras atribuições.

O período para solicitação de isenção já iniciou: 22/11/2021 a 17/12/2021.

As informações foram fornecidas pelo Diretor do Curso, o Pós-doutor em Agroecologia, Prof. Dr. Augusto César Vieira Neves Junior e Prof. Dr. José Ribamar Gusmão Araújo, doutor em Agronomia (Horticultura) e Fruticultura da UEMA e membro do Fórum em Defesa da Baixada Maranhense, responsável técnico pelo Projeto Bosques da Baixada.

Feira de Troca de Mudas, Sementes e Saberes na Ação de Graças na Jurema

A Academia de Letras, Ciências e Artes Perimiriense  (ALCAP) participou da IV Ação de Graças na Jurema, dia 20 de novembro de 2021, durante o evento promoveu, por meio do Projeto Plantio Solidário, a primeira Edição da Feira de Troca de Mudas, Sementes e Saberes.

O objetivo da feira é preservar a biodiversidade, promover a educação ambiental e estimular a alimentação saudável e orgânica, que foi coordenada pro Jessythannya Santos. As mudas foram fornecidas pela UEMA, por meio do Prof. Dr. Gusmão Araújo e pela comunidade interessada na troca das mudas.

Além de mudas de hortaliças, legumes e vegetais, foram trocadas plantas ornamentais, como por exemplo, flores e cactos, bem como frutíferas e não-frutíferas, plantas medicinais, sementes e muito conhecimento. Contudo, por ser um evento gratuito e não possuir inscrição não foi registrada a quantidade de plantas disponíveis. Para participar, bastou levar uma muda e/ou sementes, para troca ou doação no local.

O evento deste ano não contou com a participação do engenheiro agrônomo ou outro especialista, Mas algumas orientações foram repassadas.

A feira, conforme relatou a coordenação, foi muito bem aceita pela comunidade, pois agregou conhecimentos sobre cultivo e ecologia, os quais foram compartilhados pelos participantes.

 

Parteira Dadá de São João Batista completa 99 anos de idade

Parteira Dadá de São João Batista completa 99 anos de idade

EUGÊNIA MENDES CÂMARA, carinhosamente chamada Dadá. Nasceu no dia 13 de novembro de 1922, no povoado Enseada dos Bezerros, São João Batista-MA.

Filha de Raimunda Nonata Mendes e pai desconhecido, situação comum naquela época em que as mães solteiras não tinham os filhos reconhecidos pelos pais, pois não existiam leis que os obrigasse reconhecê-los.

A segunda dos sete filhos de Raimunda, relacionados a seguir: Maria de Lourdes (Lulu), Eugênia (Dadá), Levi, Belízia (Belinha), Julião, Miriam e José Manoel.

Dadá passou parte da sua infância, no povoado onde nasceu, com sua mãe e sua avó Cândida que era o referencial familiar dos netos.

Sua origem humilde não foi obstáculo para tentativas de uma vida melhor. Queria estudar, mas não era possível porque não havia escolas naquele lugar e, estudar era privilégio dos himens, uma vez que, as mulheres eram educadas para ser donas de casa. Deveriam aprender a cuidar dos filhos e do marido.

Aos 7 anos, veio para São Luís onde morou com sua tia e madrinha Ângela Araújo, no bairro Sítio do Meio, sendo matriculada na Escola Modelo Benedito Leite, cursando até a 3ª série do antigo ensino primário, porém, seu currículo foi preenchido por si própria: um vasto conhecimento do mundo, sua universidade foi a própria vida.

Aos 21 anos conheceu o jovem João Câmara no bairro Diamante, avistando-o normalmente. No entanto, aquele jovem vindo de São Vicente Férrer para prestar contas com o Serviço Militar, procurou se informar sobre o endereço daquela senhorita para enviar-lhe uma Carta, pedindo-a em namoro. A carta foi recebida pelo tio Matias Araújo que ao lê-la buscou informação sobre o autor da mesma e, depois de algumas formalidades familiares, autorizou o namoro, pois o seu futuro marido era um homem de tradicional família de São Vicente Férrer, a família Marques Câmara, vinda da Ilha da Madeira – Portugal, a qual teve um ancestral que, por determinação da Coroa portuguesa fixou-se no município de Peri-Mirim-MA.

Após um ano de namoro, Dadá casou-se com João Câmara e desse casamento nasceram dez filhos: Carlos Alberto, Sônia, Edna, Dalva, João, Flor de Maria, Apolinária, Jomar, Anilde e Váldina.

Supermãe! Além de seus dez filhos, adotou e criou outras crianças, educando-as sem fazer distinção entre os seus filhos biológicos.

Sempre preocupada com a educação dos filhos, foi capaz de desempenhar com muita sabedoria os papéis de mãe, professora e, às vezes, psicóloga, tendo como base os princípios da ética e da honestidade: valores imprescindíveis para a boa formação do ser humano.

Em 1956, mudou-se, com toda a família, para São Vicente Férrer, lugar onde seu esposo nasceu, permanecendo lá por quatro anos.

No início de 1960, a fim de que seus filhos pudessem estudar, resolveu fixar residência em São João Batista. Logo que chegou no município, a primeira providência a ser tomada foi sair em busca de escolas para matricular seus filhos, porém, conseguiu organizar, em sua própria casa, uma escolinha com duas salas de aula multisseriado, contando com a ajuda de um representante político, partido PTB, o Sr. Procópio Meireles, que remunerava duas professoras alfabetizadoras: Violeta Meireles e Maria Souza Coelho. A escola foi denominada de Escola Trabalhista Brasileira.

Em São João Batista desenvolveu várias atividades, tais como: professora alfabetizadora, costureira e parteira, mas a sua maior dedicação, durante vinte anos (1960-1980), foi o trabalho de parteira. Este trabalho tornou-se tão intenso que era necessário sair de casa às altas horas da noite, transportada em canoas ou a cavalos, meios de transportes da época, para prestar atendimento a mulheres em povoados distantes.

Prestava também atendimento, em sua própria residência, às gestantes que iam verificar a posição do bebê, bem como, receber orientações acerca da gravidez e do parto.

A fim de uma melhor qualificação para o trabalho, Dadá fez um estágio na maternidade Benedito Leite, em São Luís, no final dos anos 60.

Conquistou, em São João Batista, a amizade da população e das autoridades locais, nutrindo com todos um bom relacionamento.

Mulher religiosa e movida pela fé, construiu com a ajuda de três amigas, uma igreja católica – Igreja Nossa Senhora Aparecida, no bairro Paulo VI, existente ainda hoje.

Seu retorno a São Luís, concretizou-se em 1980, residindo no Conjunto Vinhais até os dias atuais, sendo visitada diariamente por pessoas amigas e conterrâneos.

Aos 99 anos, ainda lúcida e com tanta experiência de vida, é capaz de orientar seus filhos, netos e bisnetos. Faz tudo o que é possível para manter a família sempre unida, comemorando aniversários e outras datas festivas com almoços e jantares.

Com grande satisfação repete em suas conversas diárias: … tenho dez filhos, vinte netos e dezesseis bisnetos! …

Mulher extrovertida, de temperamento assumidamente forte, determinada, mas generosa. Sente-se feliz e abençoada por Deus porque criou seus filhos, orientando-os a fim de que alçassem seus próprios voos. Uma sensação de dever cumprido!

Sua imagem engrandece seus familiares, seu exemplo de vida dignifica seus filhos, dignificará, também, suas futuras gerações!

Biografia de autoria de sua filha Apolinária Câmara.

MENSAGEM GRACILENE PINTO AOS SEUS CONFRADES E CONFREIRAS DA ACADEMIA JOANINA DE LETRAS, CIÊNCIAS E SABERES CULTURAIS

MENSAGEM GRACILENE PINTO AOS SEUS CONFRADES E CONFREIRAS DA ACADEMIA JOANINA DE LETRAS, CIÊNCIAS E SABERES CULTURAIS

Por Gracilene Pinto

Somente hoje (31/10/2021), passados já dois dias do ato de criação da Academia Joanina de Letras, Ciências e Saberes Culturais, venho manifestar-me para me congratular com os prezados confrades e confreiras.

Aproveitando o ensejo, esclareço que meu silêncio não significa ausência ou desinteresse, pois, apesar das múltiplas tarefas e assuntos, de ordem particular, que requisitaram minha atenção nestes dias, estive muito bem representada em nosso evento pelo nobre colega, Dr. Eulálio Figueiredo, e, dentro do possível, acompanhei amiúde os acontecimentos torcendo e aplaudindo todo o feito.

Além disso, acredito que somente agora, serenados os ânimos, poderemos refletir sobre o verdadeiro sentido do memorável acontecimento e a responsabilidade desse ato advinda, e por nós assumida, ante a cultura de São João Batista. Responsabilidade esta, que não se limita a promover belos eventos nem outorgar títulos. Mas, a responsabilidade de transmitir um legado que auxilie na preservação e no engrandecimento da nossa cultura, ratificando aos pósteros a importância da valorização histórica e cultural do nosso povo e da nossa terra. Porque o que imortaliza o homem são suas obras, não os títulos.

A palavra academia provém do grego Akadémia, bosque de oliveiras e platános próximo à Atenas, frequentado pelo herói Academus, onde, no ano 387a.C., fundou Platão uma escola livre com a finalidade de ensinar filosofia à adultos letrados. Uma espécie de pós-graduação. Tal conceito, se disseminou pela região, vigorando por cerca de novecentos anos.

Posteriormente, em Florença, berço italiano de cultura, capital da Toscana e paridouro de grandes nomes da História, tais como, Durante Alighiére (mais conhecido como Dante), Michelangelo, Leonardo Da Vinci, Nicolau Maquiavel, Donatello, Botticelli, Boccaccio, Brunelleschi, e tantos outros, no ano de 1440 foi fundada a Accademia Platônica.

Em nossos tempos, o termo se tornou mais popular e menos erudito, sendo usado cotidianamente para denominar lugares onde se desenvolvem práticas desportivas. Como as academias de ginástica, por exemplo.

Mas, para mim, a verdadeira acepção da palavra continua sendo a platônica, qual seja, uma organização de teor literário, científico ou artístico, como a escola filosófica de Platão.

Nessa linha, a criação de uma Academia é, portanto, um grande feito. E ninguém realiza grandes feitos se não tiver a ousadia de sonhar com coisas grandiosas. Daí, dizer-se que o sonho é o desejo da alma, porque é a partir dele que nascem as grandes realizações. Um sonho, nada mais é, do que a vontade incontrolável de realizar alguma coisa que desejamos com paixão. E, os grandes feitos se tornam realidade muito mais facilmente quando sonhados em conjunto, comungados por muitos. Pois, quando um grupo se une em prol de um mesmo ideal, a energia motriz do projeto se vê multiplicada. Isso é científico. É radiônica pura.

Eu sempre acreditei que títulos não importam. Importam as pessoas. Importa a firmeza de caráter e a dignidade com que elas encaram a vida, e o amor e a dedicação que colocam naquilo que fazem.

Não somos muitos nesta agremiação, se comparados à população do Brasil ou mesmo à de São João Batista. Mas, se mantivermos ao longo do caminho a capacidade de coesão, a força e a resiliência deste primeiro momento, que é apenas a etapa inicial da concretização do sonho, o sucesso virá como meritório prêmio. Porque o sucesso de um projeto subsiste, principalmente, no ideal comum e na capacidade de resistir ao tempo e às intempéries. O sucesso será certo se nos permitirmos alimentar o sonho de deixar aos pósteros um legado que eternize a nossa história e não deixe morrer a singular cultura que faz parte de nós, porque está em nossa própria essência.

A realização deste ideal deve-se à pessoas, como o atual, e merecidamente, Presidente desta nobre instituição cultural, Marcondes Serra Ribeiro; como Manoel Barros, Batista Azevedo, Eulálio Figueiredo (que representou a mim e a Dra. Elymar Figueiredo, impossibilitadas de comparecer ao evento de criação); Luiz Figueiredo e Raimundo Cutrim; Ana Márcia Araújo e Edinete Alves; Ana Creusa Martins, que, representando o Fórum da Baixada, tanto apoiou e estimulou a realização deste sonho antigo; e a todos os demais participantes, pois, com determinação, coragem, espírito de liderança e resiliência, seguiram em frente, tudo fazendo para que as coisas ocorressem de maneira satisfatória e com o garbo que o projeto merece.

Parabenizo a todos os confrades e confreiras desta nossa recém-nascida Academia Joanina de Letras, Ciências e Saberes Culturais, com especial destaque para Marcondes Serra Ribeiro, que, como todos sabem, deu o sangue para que o evento tivesse a grandeza necessária e se perpetuasse no coração de todos. E, aproveito a ocasião para agradecer à minha filha, Márcia Fernanda Gonçalves, à minha amiga Dilercy Adler e a Eulálio Figueiredo, pelo estímulo para que me decidisse a fazer parte desta digníssima agremiação. Tendo o último, me concedido a subida honra de representar-me, por procuração, no evento do dia 29/10/2021.

Dias atrás, falei ao Marcondes sobre a ideia de iniciarmos, desde já, os fundamentos de uma biblioteca em nossa academia. Ele, como sempre receptivo às boas sugestões, respondeu de imediato: estamos juntos! E, de pronto, foi criada uma estante com obras dos novos acadêmicos para abrilhantar o evento de criação. Minha nova sugestão é que se busque, junto a Secretaria Municipal de Educação, a implantação de um projeto que inclua no cronograma escolar municipal as obras dos escritores conterrâneos, na qualidade de paradidáticos.

Porém, necessário se faz lembrar, que não só de momentos festivos é feita a nossa estrada. Agora é hora de cada membro assumir a responsabilidade do seu posto, enquanto representante da cultura joanina, e desenvolver um trabalho, com o olhar voltado para o futuro porém sem esquecer o passado, visando sempre a preservação da nossa identidade e do nosso patrimônio cultural, de modo a deixar um legado que sirva de exemplo às novas gerações.

Existem lutas sem causa. Mas, não há vitória sem razão. Todos somos movidos pelos nossos sonhos, pela nossa paixão, por aquilo à que aspira a nossa alma. Essa é a mais forte razão para a peleja. Porque, se tivermos um ideal, o sonho nos dará asas. E então, poderemos até perder algumas batalhas, mas, ao final, venceremos a guerra e hastearemos o nosso pavilhão no pico mais alto, cantando o hino da vitória.

Talento, boa vontade e inspiração, esta, sempre renovada ante a beleza natural com que Deus agraciou este torrão, nunca faltaram aos filhos desta terra. Por isso, considero que todos os que se habilitaram a fazer parte desta Academia Joanina de Letras, Ciências e Saberes Culturais são pessoas capacitadas e comprometidas a desenvolver sua missão de modo a engrandecer o Município de São João Batista e a herança cultural deixada por nossos avós, honrando, deste modo, sua memória. Sendo assim, temos em nossas mãos tudo que se faz necessário para realizar a contento esta missão, que, de acordo com o ideal filosófico de Platão, deve ser sempre a busca do conhecimento.

Confiança em Deus, fé na vida e pé na tábua!
Foi dada a largada!
Que o Senhor nos abençoe a todos!

DISCURSO FEITO POR OCASIÃO DA FUNDAÇÃO DA ACADEMIA JOANINA

DISCURSO FEITO POR OCASIÃO DA FUNDAÇÃO DA ACADEMIA JOANINA

Por Eulálio Figueiredo*

Bom dia confrade e confreiras.

Transcrevo abaixo o breve discurso que fiz por ocasião da fundação da Academia Joanina de Letras, Ciências e Saberes Culturais de nossa terra São João Batista. Foi um momento de muita responsabilidade e cautela, haja vista o nível cultural dos presentes e a gentileza dos que me distinguiram para essa missão. Obrigado a todos. Segue o texto do discurso verbal abaixo:
DISCURSO FEITO POR OCASIÃO DA FUNDAÇÃO DA ACADEMIA JOANINA DE LETRAS, CIÊNCIAS E SABERES CULTURAIS DA MINHA QUERIDA TERRA SAO JOÃO BATISTA.

Após saudar as autoridades, confrades, confreiras e os cidadãos presentes.

Esto brevis, et placebis.

Nesta bela manhã de glória, de regozijo, de júbilo e de incontrolável alegria, sob o afago do sol que brilha em todo seu esplendor, está sendo lançada a pedra filosofal, sobre a qual se edificará a Academia Joanina de Letras, Ciências e Saberes Culturais, maior casa de cultura da nossa querida terra mãe São João Batista, que nossos hermanos castelhanos chamam de La Pacha Mama.

Estamos no mês de outubro, considerado no calendário anual como o mês das missões. Nada mais justo que nossa academia obtenha sua certidão de nascimento exatamente nesta áurea missionária, em que os idealizadores desse projeto de mãos dadas com os membros fundadores e efetivos, hoje aqui comparecem para prestarem contas da missão cumprida, sob as bênçãos de Deus e de Nossa Senhora.

O que nos conforta neste momento é saber que todos nós estamos irmanados em busca de um mesmo objetivo, qual seja a criação de uma casa que pretende congregar homens e mulheres imbuídos do propósito de disseminar letras, ciência e saberes culturais na terra onde nasceram e onde, por alguma razão, fixaram raízes que se transformaram em árvores frutíferas e sombreiras.

A academia que hoje vem à luz, sob o comando de tão ilustres e eméritos confrades e confreiras, que se unem num afetuoso amplexo, será a flâmula que hastearemos bem alto no pavilhão de nossa terra para o sopro incontido dos ventos joaninos e orgulho de nossos conterrâneos.

Será também a insígnia que nosso intrépido peito, impulsionado por corações que pulsam sem parar, palpitantes de alegria e de emoções, ostentará doravante, semelhante ao vestíbulo ou portal que conduz ao páramo cerúleo onde habitam os deuses do olimpo.
Sim. Estamos todos contagiados neste momento de júbilo, porque o nascimento desta casa de cultura é uma marco histórico para nossa cidade que um dia, pelos mares de Cabral, nos conduziu à capital do estado e foi a porta de entrada para a região da baixada maranhense através do porto da Raposa.

Junto com a Academia Joanina de Letras, Ciências e Saberes Culturais também nasceu, hoje, embora de forma embrionária, a biblioteca dessa entidade, a partir da estante de livros (expostos na antessala deste prédio) já publicados pelos membros fundadores e definitivos que criaram essa confraria de notáveis escoliastas.

Os que hoje compareceram para esta solenidade, em solo joanino, serão testemunhas oculares da concretização desse grande projeto idealizado pelos confrades e confreiras da academia nascitura, que tem como patrono o jurista e professor Fran Figueiredo, um dos seus filhos mais ilustres, pelo exemplo de vida e por tudo que representou para sua geração e para o povo de nossa cidade.

Meu desejo ab imo pectore é que a novel academia não seja apenas uma casa de encontros de boêmios inveterados, de intelectuais descompromissados com as artes ou de nefelibatas sonhadores, mas um panteão literário, onde sejam preservados os costumes, os hábitos, a cultura e toda a tradição de nosso povo, contada pela memória e criatividade de nossos confrades e confreiras para conhecimento da posteridade in saecula saeculorum.

Muito obrigado.
José Eulálio Figueiredo de Almeida.

Criação da Academia Joanina de Letras, Ciências e Saberes Culturais

Criação da Academia Joanina de Letras, Ciências e Saberes Culturais

Por Marcondes Serra Ribeiro*

Quando uma criatura humana desperta para um grande sonho e sobre ele lança toda a força de sua alma, todo o universo conspira a seu favor”. Johann Goethe

Felizmente, no tempo determinado por Deus, nós nos identificamos como acalentadores de um mesmo sonho, e ousamos torna-lo realidade, conscientes de sua grandiosidade e bem convictos de que unidos somos mais fortes – pois um sonho sonhado coletivamente tem muito mais chances de concretizar-se!

Assim, persistentes e corajosos, começamos a planejar e executar favorável e ansiosamente em prol da Academia Joanina de Letras, Ciências e Saberes Culturais – a Casa dos Expoentes Joaninos, que dá mais significado e razão à nossa vida, à nossa orgulhosa naturalidade, e vem chegando com o propósito de empreender naquilo que nos move individualmente e trará benefícios engrandecedores a nosso torrão natal, nos segmentos de sua estrutura – componentes significativos de nosso processo cultural.

Dia 29 próximo, um evento inédito e esperançosamente promissor marcará os anais da história de São João Batista, a criação da Academia Joanina de Letras, Ciências e Saberes Culturais. Que seja muito BEM-VINDA!

Marcondes Serra Ribeiro é natural de São João Batista, Graduação Superior em Língua Portuguesa e Literaturas na instituição de ensino CESB, Trabalhou como Professor de Língua Portuguesa na empresa Área de educação, Trabalhou como Management na empresa Ministério da Saúde.

O VELHO PORTO DA RAPOSA

O VELHO PORTO DA RAPOSA

Por João Batista Duarte Azevedo*

Não sei ao certo quando surgiu o Porto da Raposa. Quando me entendi, ele já existia. Mas só vim conhecê-lo de fato quando vim para a cidade pela primeira vez. Tinha que se passar por ali. Era lá o embarque nas lanchas que nos traziam até a capital.

Encravado às margens de extenso Igarapé que rasga continente adentro, o antigo Porto da Raposa ficava no povoado campestre de mesmo nome, a poucos quilômetros do Golfão Maranhense (Baia de São Marcos) e do estuário do Rio Mearim. De um lado uma extensa cortina verde formada por manguezais, de outro, mais para dentro do continente, extensas áreas de campos e tesos.

Ao longo de muitas décadas foi a única porta de entrada e saída de muitos municípios da baixada, especialmente São João Batista, São Vicente Férrer, Matinha, entre outros. Estamos falando de mais de meio século. Naquele tempo não havia estradas que ligassem estes municípios à Capital do Estado. O porto cumpria assim então a sua primordial finalidade. Era ponto de escoamento de mercadorias que iam e vinham e de embarque de passageiros que se destinavam rumo a São Luís e vice-versa.

Ainda lembro vagamente de algumas particularidades daquele lugar. Eram dois os principais atracadouros, exatamente para duas lanchas que costumavam fazer o transporte de cargas e passageiros. Eram dois pares de extensas passarelas, construídas de achas e mourões de mangue que nos levavam até ou a parte baixa, ou à parte alta da lancha, o convés, onde ficava o timoneiro, ou mestre, e onde ficavam os passageiros.

Nas lanchas, percebia-se um hiato de classes plenamente justificável. Na parte de baixo, costumavam viajar aqueles que transportavam cargas além de suas bagagens pessoais. Um odor forte de óleo e amônia exalava em meio ao cheiro de café e cozidão que costumava vir das bandas da cozinha. Já na parte alta, o segundo andar, vinham os mais destemidos, os que não tinham muito medo dos constantes balanços no alto mar e não costumavam expelir involuntariamente suas comidas boca a fora.

Às vezes três ou mais lanchas ancoravam por ali. Todas bem nomeadas. Maria do Rosário. Santa Teresa, esta, pequenina e valente, boa de navegação. A Proteção de São José, que sucumbiu na maior tragédia náutica ocorrida naquela travessia. A Ribamar. A Fátima. A Nova Estrela e a Imperatriz foram as últimas dos tempos auge do transporte marítimo. Nestas últimas fiz a maioria das minhas viagens.

A Raposa era um lugar como muitos outros numa área de campo. As casas de jirau, mostravam que ali em épocas de inverno costumava ser úmido e encharcado. Eram habitações de madeiras, desde o assoalho até as paredes. As cobertas, algumas eram de telhas de barro, outras de pindobas. Naqueles tempos de plena atividade do velho porto, Raposa devia ter cerca de cinquenta casas. A maioria eram de pessoas que viviam em função do porto. Pequenos comerciantes, estivadores, donos de pequenas embarcações e até mesmo ambulantes que viviam da compra e venda de mercadorias e produtos. Eram todos hospitaleiros. Lembro de Seu Dominguinhos, sempre cortês, atencioso, mas, dizem os que mais o conheciam, de uma astúcia e malícia sem precedentes.

Entre as muitas peripécias atribuídas a Seu Dominguinhos está a de ter dado um pernoite ao Padre Dante que certa vez se deparou numa noite escura e não quisera voltar pra sede. Fora aconselhado a ficar por ali. Após acomodar o Padre em uma rede, contam que Seu Dominguinhos acendeu uma fogueira de pau de siriba, uma espécie de mangue que ao queimar expele uma fumaça ardente aos olhos de qualquer cristão, ainda mais a quem não era acostumado, como o sacerdote italiano. Contam que o Padre passou a noite em claro, rezando para que logo amanhecesse, enquanto Dominguinhos se contorcia de risos. Ao amanhecer os olhos do reverendo pareciam duas bolas de sangue.

As principais casas de comércio e pequenos restaurantes estavam ali em redor do armazém. Um velho prédio de alvenaria que servia como uma espécie de alfândega. Era lá que trabalhavam os fiscais da receita estadual. Ali eram expedidas e pagas as guias de impostos sobre o que era embarcado, fossem cofos de farinha, cofos de banana, cofos de criações, pequenos e grandes animais. Quase nada passava sem as vistas dos coletores de impostos. Nos dias de embarque e desembarque era bastante intenso o movimento de pessoas por ali. Fossem os que viajavam, os que ali trabalhavam, e os que apenas buscavam estar no meio do vai e vem das pessoas. Não faltavam também os donos de bancas de jogo de caipira. Mas era uma alegria só. O povoado era tão movimentado que ganhou até um gerador de luz para garantir a permanência das pessoas que por ali transitavam e trabalhavam até o zarpar das lanchas.

Nos dias que não se tinha esse movimento proporcionado pelas lanchas, o povoado de Raposa mantinha um quotidiano normal. Moradores em suas tarefas diárias preparavam-se para o dia seguinte. O incremento maior do porto fora sem dúvida quando da construção da “barragem da Raposa”. Esta grandiosa obra – tanto pela extensão como na forma de como fora construída, realizada pelo então prefeito Luiz Figueiredo – permitiu um tráfego maior de veículos por mais tempo ao longo do ano.

A partir da abertura da Estrada da Beta, nome que fora dado inicialmente pela população para o ramal São João Batista – Bom Viver, que ligou a sede do município à MA -014, começaram ainda que com muitas dificuldades por conta das condições da estrada, os transportes de cargas e passageiros por via terrestre, fato este que atingiu frontalmente o cerne da economia gerada no Porto de Raposa por conta do transporte marítimo. Os primeiros ônibus a fazerem linha para São João Batista e até mesmo para outros municípios da Baixada foram os da Expresso Florêncio, que inúmeras vezes não completavam o trajeto da viagem.

Hoje, com poucas casas e sem aquele fervilhar de pessoas que faziam dali um marco da economia do município, o Porto da Raposa precisa se redescobrir com um outro propósito já que a rodovia nos leva até a capital São Luís, ou a terras além do estado.

Sempre defendi que o antigo e outrora próspero Porto da Raposa deveria absorver em tempos atuais outras finalidades. Ao que parece, por obra e graça do tempo e pela resistência de alguns poucos moradores que ali ainda residem, esta é uma realidade próxima das novas gerações. Por conta de sua aprazibilidade e beleza natural, o velho Porto de Raposa poderá ressurgir como um ponto de lazer rústico. Para tanto falta-lhe estrutura e muito precisar ser feito.

Com a palavra os homens dos poderes!

João Batista Duarte Azevedo* é natural de São João Batista (MA), graduado em Letras pela UFMA, professor e editor do blog “São João Batista On-Line”, coautor do livro Ecos da Baixada, postulante a uma cadeira na Academia de São João Batista.

AQUELA VOZ NO SILÊNCIO

AQUELA VOZ NO SILÊNCIO

Por Gusmão Araújo*

Há um sopro de Deus entre a intimidade que me religa pelo umbigo a alguém inesquecível e a saudade que se alimenta do perfume do amor que permanece. Perfume de rosas!

 Na terra onde fui parido e o meu umbigo enterrado, especialmente após as primeiras chuvas do inverno, sinto um cheiro de chão peculiar, incomparável, que remonta à minha infância feliz. A ligação minha e da família com a terra é muito intensa. Cultivar a terra e produzir a própria comida que frutificava do chão fértil era tradição familiar, além das aventuras em pescarias muito prolíficas.

Na pequena comunidade Qindiua (terra abundante de doces) onde nasci, a doçura da vida era viver com simplicidade e obter da natureza os frutos emanados do céu. Quando eu ainda era muito jovem, a família migrou para a sede do município, Bequimão, singela e linda cidadela encostada entre o litoral e os campos da Baixada.

No novo lugar, a família cresceu e alcançou alguns laivos de prosperidade. Casa simples e típica, situada próximo à Igreja Matriz de Santo Antonio e Almas, quintal grande, cheio de árvores frutíferas e pequenas criações, cantoria de pássaros… Parecia um cenário perfeito pra se viver e sonhar.

Há uma marca entre mãe e filho que cicatriza mas não se apaga: o umbigo. Basta tocar no umbigo e o pensamento voa pra ela e uma caixa de boas memórias se abre. Aquela que me gerou e deu a vida pela minha, me alimentou por algum tempo por esse cordão vivo que depois se transformou numa marca indelével, a cicatriz do amor. Com o passar dos anos um outro cordão surgiu, como contas de um rosário – mãos que cuidam, abraços que acolhem, palavras que ensinam, conselhos que educam, sorrisos que encantam, gestos que eternizam o amor.

Na rede atravessada na varanda onde repouso por alguns instantes ao cair da noite, dirijo meus pensamentos para um tempo distante no qual contemplo o barulho matinal das crianças – eu e meus irmãos – e a voz doce daquela mulher simples que me gerou, gerando em mim também uma alegria que não cabe nos sentidos.

O lugar na varanda onde me encontro foi o mesmo espaço onde, no grande quintal, vicejou o jardim da minha mãe e, logo próximo, havia um recanto dedicado às brincadeiras intermináveis das crianças ao final da tarde.

Fecho os olhos e, intencionalmente, conduzo meus sentidos para cenas remotas, ricas em simbolismos e significados…

Enquanto “ela” regava suas plantas e se embriagava com o perfume das rosas – suas prediletas – corria os olhos ágeis em nossa direção. Do seu olhar saia uma voz inaudível e, ao mesmo tempo, perfeitamente compreensível. Parecia dividida entre conversar com as flores do seu jardim e cuidar, com o olhar altaneiro, os rebentos de seu ventre, pululando nos arredores. Em seu semblante havia uma certeza de que os rebentos banhados de terra eram seus verdadeiros tesouros os quais ela iria gastar uma vida para lapidar e fazê-los dignos de um futuro luminoso e da bondade de Deus. E fazer brilhar em cada um a luz de Cristo, conquistada nas águas do batismo.

Sempre que me colocava nessa situação, na rede na varanda, contemplando o infinito, conseguia congelar as imagens e eternizar um tempo que não morreu no passado. No inquietante e reconfortante silêncio do meu ser, com a pureza d’alma de uma criança, conseguia ouvir aquela voz familiar e insubstituível. Nessa condição, entre não estar acordado e não estar sonhando me permitia vivenciar uma realidade paralela que só amor era capaz de reproduzir e eternizar. Era como se sentar numa confortável poltrona para assistir a um filme ansiosamente aguardado. Há um sopro de Deus entre a intimidade que me religa pelo umbigo a alguém inesquecível e a saudade que se alimenta do perfume do amor que permanece. Perfume de Rosas!

De repente, aquela voz tão conhecida rompe o silêncio e ouço um chamado: “José, tá na hora de parar e se preparar para o banho”; ouvem-se outros chamados à prole: “João, Antônio, Francisco, Bal”…, chamados prontamente atendidos mesmo que não se desejasse que a tarde findasse. Em outro canto do quintal um grupo de quatro meninas também brincava de construir sonhos e, vez ou outra, aumentar o barulho do dia com gritos de alegria. Após os acenos, aquela nobre mulher, com cheiro de rosas, seguia na frente e nós, com cheiro de terra, a seguíamos com a justa obediência daqueles que respeitavam porque amavam.

Por vezes, perdia a noção do mergulho que fazia na nossa história comum e quão tênue era a linha que separa a realidade cotidiana e a alegria genuína esculpida no íntimo do meu coração. Quando parecia que ia acordar, procurava meu umbigo e começava tudo outra vez e aquela voz silenciosa se colocava dessa vez a cantar, fazendo-me adormecer e sonhar, como um menino da pequena Quindíua que não desejava crescer…

Aquela nobre mulher, que conversava com as flores e se encantava com a história de Maria Santíssima e Jesus partiu para o jardim celestial há tempos, por certo auxiliando Nossa Senhora em suas tarefas divinas, mas a sua voz continua ecoando silenciosamente na minha história, aquecendo minha realidade, remexendo meu umbigo e me renovando o encanto pela vida e pelas vidas que também tive a graça de gerar. São flores que também cultivo no jardim do meu coração.

Senhora Antônia, esposa de Antônio…

O seu amor me fez vencer a dor e os desafios E acreditar que o seu olhar

Sua voz

E o seu abraço Me fazem sentir

Que continuas aqui Bem perto de mim Como um anjo

A me proteger Do anoitecer Ao amanhecer

Sempre, Minha Querida Mãe!


 * José Ribamar Gusmão Araújo  é natural de Bequimão/Maranhão. Membro-fundador do Fórum em Defesa da Baixada Maranhense (FDBM), Gestor do Projeto Bosques na Baixada do FDBM. Engenheiro Agrônomo, formado pela UEMA. Mestre e Doutor em Agronomia/ Horticultura pela UNESP, Campus de Botucatu/SP. Professor Adjunto do Departamento de Fitotecnia e Fitossanidade (DFF)/CCA/UEMALeciona no Curso de graduação em Agronomia e no Programa de Pós-graduação em Agroecologia.