BAIXADEIROS COM SAUDADES DO INTERIOR

BAIXADEIROS COM SAUDADES DO INTERIOR

João Silveira começou a conversa falando sobre A CASA TÍPICA DE UM BAIXADEIRO MORANDO A BEIRA DA ENSEADA.

Esteios de tucum, grades e caibros de marajá, cumeeira  de pau um branco qualquer, jirau assoalhado de marajá bem raspadinha, coberta e tapada de pindoba amarrada de cipó, ou embira, (conforme a condição financeira) janelas e portas de mensabas, amarradas de cipó ou embira.
Escadas de paus (dois ou três) amarrados de cipó.
Um quarto onde se abrigava toda a família ( em geral cerca de 10 a12 filhos).
Uma pequena sala e cozinha, com fogão de tacuruba, um jirau de lavatório, pela parte externa, uma mesa de pau lavrado a patacho posta sobre quatro forquilhas: uma forquilha de três hastes de urucurana fincada na cozinha, para sustentar o pote, um cofo pendurado acima da cabeça, pra guardar a cuia de farinha “pru mode” o cachorro “nun cumé”, um gato dorme encima da mesa, enquanto o cachorro se agasalha debaixo do fogão, tentando se aquecer com o calor do tataíba com fogo constante a esfumaçar, se protegendo do frio das chuvas intensas do inverno.

Apolinária Câmara entrou na conversa e declarou:

Quanta riqueza nos detalhes!
Mente fértil!
Parabéns, Silveira!
Não deixa os teus textos se perderem. Deves pensar em colocá-los num livro.
Já disse isso anteriormente. És profundo conhecedor dos costumes, cultura…da nossa querida BAIXADA.

Jirau, fogão de tacuruba, cofo, cuia de farinha, forquilha para sustentar o pote…
Era assim na casa de minha avó materna.
Quanta felicidade naquele tempo!

Expedito Moraes também deu  a sua opinião falando:

Este tipo de casa já era um modelo de arquitetura mais completo e com melhor acabamento do que a que SILVEIRA descreveu.
Na que ele se refere era mais encontrada nas beiras dos rios, campos e lagos. E normalmente eram de vaqueiros de gado ou outros animais ou pescadores, que dependiam da sazonalidade para se deslocarem do Baixo no inicio do inverno para o Teso ou vice-versa.
Chama-se esse tipo de moradia de Rancho por serem descartados de 6 em 6 meses.

Gracilene Pinto também deu seu pitaco e disse:

Em Penalva haviam muitos. As famílias alugavam a casa da cidade e mudavam-se por seis meses para o rancho, afim de secar peixe. E, considerando a arquitetura similar das estearias, é provável que o costume haja sido copiado dos povos autóctones que habitaram anteriormente a região e também lembrou sua poesia Estrada da Dor.

Américo Araújo também não ficou calado e declarou:

Super interessante esse debate, surgirão muitos baixadeiro apoiar e contribuir com histórias reais, e assim estaremos divulgando e fazendo nossa rica baixada conhecida pelo Brasil e além fronteiras. Parabéns.

Ana Creusa lembrou que esse tipo de construção rústica a qual Silveira em sua terra é chamada e Tijupá e Aroucha falou que: “É o início do inverno, começo do encharcamento dos campos, para no inverno pleno, os campos e lagos, ficarem assoberbados de água, nos deliciando com a cheia, onde as águas penetram as enseadas e banham as araribeiras e pipoqueira. Coisa linda de ver”.

As conversas dos Baixadeiros enchem de saudades os corações apaixonados pelo lindo Pantanal Maranhense. 

Fonte: Grupo de WhatsApp do Fórum da Baixada.