MEMÓRIAS DE UMA ELEIÇÃO

MEMÓRIAS DE UMA ELEIÇÃO

Por Eulálio Figueiredo*

Desde a minha investidura como magistrado de carreira, tenho vivido situações inusitadas. As experiências mais interessantes se passaram no período em que exerci a judicatura nas comarcas do interior do Estado.

No pleito que se realizou recentemente, fui designado para presidir as eleições e apurações na Junta Eleitoral que compreendeu os municípios de Palmeirândia e Peri-Mirim, localizados na Baixada Maranhense. Os trabalhos transcorreram dentro da mais completa normalidade, deixando aos presentes a sensação de que o serviço judiciário não sofreu qualquer deslize.

Proclamados os resultados das eleições, um fato inusitado ocorreu, qual seja: o desejo de uma vereadora eleita, em primeira candidatura, falar algo. Nesse momento, percebi que alguns partidários do prefeito eleito torceram o nariz e o advertiram para que não permitisse que a futura edil se pronunciasse sob o argumento de que a mesma era analfabeta e que poderia manchar a imagem do grupo que apoiava o novo chefe do executivo municipal.

Tranquilo e sereno, o prefeito lembrou aos correligionários que a referida candidata era da base aliada do seu go- verno e que teria recebido a maior votação, razão pela qual não podia impedir a vontade manifestada.

Afastado o óbice, e aproveitando a presença de autoridades e pessoas ilustres da cidade, inclusive o padre e algumas religiosas, no próprio recinto da apuração, a candidata eleita iniciou seu discurso. Disse inicialmente: “Gente, eu não gosto de política. Quem me meteu foi cumpadre Batista!”

Nesse momento, um assessor mais próximo do prefeito sussurrou ao seu ouvido: “Chefe, eu não disse para o senhor impedir Ivanilda de falar.” O Prefeito calmamente respondeu: “Deixa ela prosseguir, pois eu preciso do apoio dela na Câmara.”

Ivanilda, com sua simplicidade, prosseguiu levantando a mão seca, calejada e nodosa: “Não sou de farsa, nem culiada com ninguém. Quando quero falar de alguém não meto o pau por trás, só pela frente.” O clima esquentou e, dessa vez, um vereador reeleito se aproximou do prefeito e disse-lhe: “Rapaz, vamos sair logo daqui. Ivanilda vai nos envergonhar, eu não te falei para que não deixasses ela discursar?” O prefeito novamente ignorou a advertência do seu companheiro de partido e apostou no que viria depois.

A candidata, então, contagiada com a possível aceita- ção de sua fala continuou o improviso: “Sou pobre, meu marido é pescador, mas sou uma mulher de palavra. Não faço promessa que não posso cumprir. Queria dizer ao cumpadre “Zé Curica” que já cumpri parte da promessa. A carroça eu já consegui, o que tá me pegando agora é o jumento”. Nesse momento houve um completo mal-estar no ambiente e alguns aliados do prefeito, entre atônitos e envergonhados, se retiraram do recinto, ante a relutância do mesmo em não cassar a palavra de Ivanilda.

Por último, a iletrada candidata finalizou: “Quero agradecer a presença das otoridades” e, virando-se, para o vigário sentenciou: “Agradeço especialmente a presença do nosso vigarista, que veio abençoar esta eleição, e a todos aqueles que não se cansaram de me ouvir.”

Após os aplausos e cumprimentos, Ivanilda deixou o local levando consigo grande contingente de admiradores. Nós, doutores da língua e da lei, que ali permanecemos encerrando os trabalhos e fechando o prédio, também nos perguntávamos porque proibir Ivanilda de falar? Ela, na sua ingenuidade, não cansou os ouvintes, nem fez-lhes falsas promessas, muito menos empenhou sua dignidade por conta do voto recebido.

A ausência de alfabetização não a tornou ignorante, nem astuciosa. Essa pecha somente carrega quem um dia, assentado no mais alto cargo da nação, ilude com promessas irrealizáveis desde o esperto doutor até o inocente caboclo.

*Eulálio Figueiredo é natural de São João Batista (MA). Juiz de Professor do Departamento de Direito da UFMA. Escritor, poeta e compositor.

Crônica publicada no livro ECOS DA BAIXADA às folhas 118 a 120.

SÃO JOÃO

SÃO JOÃO
Por Gracilene Pinto
São João, terra querida,
Teu nome é diversidade,
Estas palavras são pobres
Para expressar, de verdade,
Tudo o que representa
O teu povo, o teu chão,
E esse amor imensurável
Que há muito virou paixão.
Teus campos e manguezais,
Bosques e matas em flor,
São a prova mais concreta
De que Deus abençoou
Teu nascimento e batismo
Consagrado a São João
Quando o povo ali clamava
A celeste proteção.
E, quando as palmas ao vento,
Cantam o hino dos palmeirais,
O coração dá o tom,
Porque amor nunca é demais!

(Imagem Campos de São João Batista de David Wilkirson)