Anajatuba: portal da Baixada

Em 3 de setembro de 2019 20:50

A Baixada Maranhense abre-se bela e acolhedora pelos campos de Anajatuba. Humilde e misteriosa, espalha seus campos na imensa planície verde que constitui a nossa região. Misteriosa e encantadora, canta na voz de seus morros as nossas lendas, repetidas pelos habitantes do campo num sussurro que mais parece uma prece.

Seus mistérios se misturam com a realidade, deixando em cada viajante que vem de longe uma expressão de espanto que não lhe tira a magia de seus encantamentos.

Por ali passavam as estradas de gado que, a partir do século XVII e até o início do século XX, conduziam as boiadas vindas do Sertão e de outros Estados até o Porto das Gabarras, hoje aterrado pelo capricho da própria natureza, para o abastecimento da capital. Restam hoje alguns estreitos igarapés por onde navegam pequenas igarités utilizadas pelos marisqueiros para a pesca de camarões, guardando a tristeza de ver os manguezais sendo destruídos por pragas de lagartas.

De seus campos, Raimundo Gomes Jutaí partiu com alguns vaqueiros conduzindo uma boiada da “ilha” Buenos Aires até Manga do Iguará, atual cidade de Nina Rodrigues, onde a ação dos baixadeiros invadiu a cadeia pública, liberando os prisioneiros e marcando o início da Guerra da Balaiada.

Os seus tesos exuberantes, que chamamos de ilhas campestres, se diluem na imensidão do campo, recebendo nomes exóticos que envolvem um passado construído por pessoas de diversas procedências, cujos fantasmas lendários construíram um conjunto riquíssimo de estórias inusitadas que a maioria dos homens do campo têm como verdadeiras.

Dos seus morros sagrados, ecoam os sons surdos das caixas do Divino ou de São Benedito, misturados com o rufar dos atabaques que acompanham danças ancestrais como o terecô ou coco e o Tambor de Crioulos, característica de nossa terra, onde só dançam os homens. De suas comunidades quilombolas se ouve a cantoria de trovadores e repentistas, menestréis que guardam as tradições vindas da Mãe África. Os livros que escrevi (Santa Maria de Anajatuba e Os Fantasmas do Campo I e II), se ocupam de contar essas histórias fascinantes, com suas luzes caminheiras, aparições e assombrações que encontram eco no imaginário popular.

Abençoados campos de Anajatuba, guardiões silenciosos da Baixada, onde várias espécies de peixe promovem o sustento da população: jejus, traíras, carambanjas, anojados (chamados de bagres ou mandis em outras regiões), piabas, pacus, cascudos e muitos outros que agora disputam o es-paço com as redes de engancho com malhas abaixo do que permitido pelo IBAMA, estendidas criminosamente no campo onde são apanhados ainda pequenos e jogados fora, mortos e em decomposição.

A Baixada serve de abrigo para muitas outras vidas. As suas aves encantam os céus com suas cores brilhantes e diversificadas: garças, guarás, marrecas e carões, dividem o espaço com as jaçanãs, algumas de tonalidade azul. Nas suas moitas de junco, abrigam-se os jurarás, a jacarerana, os jabutis e os jacarés que velam pelos ninhos das aves. E os homens, os maiores beneficiários dessa riqueza, a destroem com suas queimadas, transformando essas vidas como espécies em extinção.

Não podemos esquecer que, nas matas que rodeiam os campos, canários, canarinhos, rouxinóis, vivins, bigodes, caboclinhos e espécimes raras de beija-flores festejam principalmente as nossas manhãs com suas belas sinfonias.

Todos esses traços culturais guardam a memória de um povo que se delicia com expressões artísticas e literárias, ocasionando a fundação da primeira academia de letras da Baixada, no dia 31 de julho de 1999, a Academia Anajatubense de Letras, Ciências e Artes, a qual, embora fechada no seu próprio ambiente, abriga poetas, cronistas, compositores, artistas plásticos e artesãos que constituem o orgulho de sua gente.

É com essa contribuição, humilde, mas pujante, que saudamos a edição dos “Ecos da Baixada”, para cujo canto empresta também a sua voz e saúda o município de Matinha, caçula das academias de letras da Baixada Maranhense que por certo inspirará a criação de muitas outras.

Crônica escrita por Mauro Rego, publicada no Livro Ecos da Baixada, nas páginas 21/23.

Mauro Rego

Em 3 de setembro de 2019 20:26

Mauro Bastos Pereira Rêgo é natural de Anajatuba (MA). Pedagogo, poeta e pesquisador. Membro da Academia Anajatubense de Letras, membro da Academia Maçônica Maranhense de Letras e membro da Academia Itapecuruense de Ciências, Letras e Artes, é formado em Letras pela Universidade Estadual do Maranhão (UEMA) e também em Pedagogia pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA), com habilitação em Magistério Normal e Supervisão Escolar. É especialista em Língua Portuguesa pela Universidade Salgado de Oliveira. Tem uma cadeira na Academia Anajatubense de Letras e é forte colaborador da Academia de Letras do município de Itapecuru. Escreveu vários livros e alguns trabalhos de poesia, como Taça Vazia e Ganzola, contando histórias de sua infância e adolescência. Cronista do Livro Ecos da Baixada.