A ceia de bagre

Em 27 de outubro de 2019 14:08

De tanto ouvir falar das belezas dos verdes campos de Pinheiro, dois amigos meus resolveram vir, de bem longe, me visitar aqui no Maranhão. Mas queriam ir até Pinheiro!

Do terminal da Ponta da Madeira até o porto do Cujupe, do outro lado do continente, a travessia já é uma viagem. No meio da baía, as pequenas gaivotas acompanham o ferry boat. O comandante Edson acelera os motores. Uma enorme espuma branca se forma na popa da embarcação e, sobre ela, os pequenos peixes fazem a alegria dos pássaros.

O fim de tarde se aproximava quando dobramos a curva do Farol em direção ao Cujupe. De repente, a exuberante natureza nos surpreende e coloca à nossa frente um bando de guarás. O reflexo da luz do sol poente na plumagem daquelas aves nos fez enxergar um encarnado único, indescritível e de rara beleza, que nem os mais renomados mestres da pintura seriam capazes de reproduzir.

Ficamos a contemplar, por certa de 30 minutos, bandos e mais bandos de guarás, cada qual guiado pelo seu líder, cruzando sobre nossas cabeças em direção a seus dormitórios.

Aos poucos o verde escuro do manguezal mudava de cor. Como numa pintura impressionista, o mangue ao nosso lado começava a tingir-se de rubro pela chegada dos guarás e pequenas manchas formadas pelas garças brancas enriqueciam a beleza do quadro.

A revoada dos recém-chegados, que desciam até as margens para lavar os pés, agitava a paisagem. Chama atenção que embora passem o dia inteiro à cata do sarará e do maraquanim, enterrando os pés no barro preto do mangue, nenhum guará se atreve a dormir de pé sujo; todos, sem exceção, lavam os pés antes de se recolherem aos braços de Morfeu.

Mais tarde, hospedados em uma pousada à beira do campo em Pinheiro, nós acordamos bem cedo para contemplar o nascer do sol que refletia sobre aquele manto de água a perder de vista. Um verdadeiro oceano de água doce animado pelo voo rasante dos bandos de marrecas, jaçanãs e japiaçocas.

Munidos de uma caneca de alumínio e um pouco de Nescau fomos tirar o leite das duas vacas que se encontravam ao lado. Sentados num pequeno mocho de três pernas e espremendo as tetas da vaca, o leite mungido jorrava fazendo espumar aquele saudável milk shake.

No salão, uma grande urupema recheada de cupu, bacuri, ingá, murici, pitomba, carambola, tamarindo, abacaxi, (de Turiaçu, penso eu) enfeitava a mesa do farto café, regado com sucos de manga, cajazinho e caldo de cana tirado da engenhoca. Um beiju com queijo de São Bento e um bom copo de juçara, amassada na hora, completava o petit déjeuner.

Alugamos uma pequena canoa e fomos conhecer a Barragem do Pericumã, uma das raras eclusas existentes no Norte do país. No Lago Grande, encontramos Sr. Antão, um tradicional pescador, que nos ofereceu a oportunidade de fazermos, à noite, uma pescaria de bagre.

Aceitamos a oferta com uma condição: iríamos comer os bagres que fossem pescados. Lançado o desafio, encomendamos o restante do jantar. E convidamos alguns amigos para fazerem parte da “ ceia de bagre”.

Quando o sereno começou a cair, o senhor Antão passou pela pousada para nos levar ao cais da Faveira. Devidamente orientados, todos com camisas de mangas compridas para nos proteger das muriçocas, e com lamparinas na mão, embarcamos em duas pequenas canoas, onde delgadas varas de pescar já se encontravam à nossa espera.

Enquanto remávamos em direção ao pesqueiro, pelas águas serenas do Pericumã, o breu da noite era iluminado apenas pelo brilho intermitente dos pirilampos. As cozinheiras ficaram em casa fazendo os temperos e aguardando ansiosas pela chegada dos bagres que iriam ser “tratados” ainda vivos e preparados para a ceia. As iscas (bichos de coco babaçu) eram larvas branquinhas e enrugadas que pareciam ter sido feitas sob medida para serem enfiadas nos anzóis. A cada mergulho do anzol nas águas mornas do rio, um bagre era fisgado e jogado no fundo da ubá.

Sentados nos estreito banco da canoa, ficávamos imaginando a festa do retorno. O vinho (lá em Pinheiro é o vinho tinto) para acompanhar a ceia já estava posto no gelo e em mais algumas horas iríamos degustar a nossa própria pescaria. Imaginem! Comer aquele peixe que iria pular, ainda vivo, para dentro da panela! E, de lá, para o nosso prato!

Já remávamos de volta quando o tempo começou a fechar. Um grande relâmpago ao largo tingiu de prata aquela imensidão de água e prenunciava um enorme trovão.

Sacudindo pelo barulho do trovão acordei de mais um dos meus sonhos. Um sonho que poderá se transformar em realidade. Afinal de contas, um maranhense acaba de assumir o Mistério do Turismo e o incentivo às atividades turísticas pode ser uma solução para desenvolver algumas das regiões de grande potencial turístico de nosso Estado.

Crônica publicada no Livro Ecos da Baixada, páginas 39/42.

José Jorge Leite Soares

A Baixada Maranhense e sua vocação para a grandeza

Em 26 de outubro de 2019 20:48

“Esse horizonte usa um tom de paz”, disse Manoel de Barros, em sua obra “O livro das ignorãças”, ao discorrer poeticamente sobre os fins de tarde no Pantanal. Tomo emprestadas as palavras do poeta para também falar sobre o entardecer da minha sempiterna Cururupu, cenário de tantas boas lembranças de minha infância, e sobre a paisagem da Baixada Maranhense, que não me sai da memória.

Trago à baila esse assunto porque estive em Pinheiro, no início da semana passada, participando da cerimônia de instalação da primeira turma de licenciatura em Educação Física da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), no Campus instalado naquela cidade, evento esse concorridíssimo e que contou com a presença de autoridades municipais, técnicos administrativos, professores e alunos. Àquela ocasião, quarenta estudantes deram o primeiro passo rumo ao tão sonhado diploma de Educação Física. Além da motivação dos estudantes, o curso também inicia com um excelente corpo docente, de vasta experiência profissional. É nossa intenção, com a aprovação do conselho universitário, transformar o Campus de Pinheiro no terceiro centro de ensino dessa Instituição no continente.

A cada ida àquela região, volto com o ânimo renovado por constatar a vontade e a determinação de seus habitantes para o desenvolvimento. Nesse contexto, além das anteriormente referidas, outras iniciativas dignas de elogio estão sendo realizadas, a exemplo do recém-instalado Fórum da Baixada Maranhense. Aqui destaco o papel do advogado Flávio Braga, um dos principais defensores desse projeto.

A Baixada Maranhense compreende 21 municípios, que se distribuem em quase dezoito mil quilômetros quadrados na região noroeste do Estado. Com uma população de mais de 518 mil habitantes (dados de 2006), tem sua economia ancorada no extrativismo, agricultura de subsistência, pesca e pecuária cuja expressão principal é a bubalino-cultura, visto que esses animais se adaptam perfeitamente às condições de grande parte da região, caracterizada por campos inundáveis.

Mas, infelizmente, a economia baseada na exploração de atividades do campo e com escassa aplicação de tecnologia resulta em baixos índices de produtividade e coopera para manter o quadro de pobreza geral, que se expressa em insatisfatórios índices de progresso. Como exemplo disso, temos a cidade de Pinheiro, a principal da microrregião, que exemplifica com bastante acuidade a condição que se perpetua ao longo de décadas. Nessa cidade, o IDHM (Índice de Desenvolvimento Humano Municipal), que avalia a qualidade de vida, como a longevidade, renda e educação da população, é de apenas 0,637, o que representa um crescimento médio. Sobre isso, a dinâmica é a seguinte: quanto mais próximo de 1, maior o desenvolvimento. Registre-se que outras cidades do entorno possuem dados semelhantes. O quadro só não é mais desolador por causa do comprometimento de alguns poucos governantes da região que se esforçam para debelar os inúmeros problemas e desafios hercúleos, embalados pela determinação de um povo honesto, cordato e trabalhador.

No entanto, nem tudo é desanimador, pois há na região uma rica diversidade da fauna e flora e o maior conjunto de bacias lacustres do Nordeste. A transição entre o cerrado e a floresta amazônica criou um lugar único de campos dominados pelas águas, particularmente no período chuvoso, que transforma a região com seus rios e lagos num pantanal tão grandioso e exuberante quanto o equivalente mais famoso no Mato Grosso. Aquele cenário que não deixa a desejar a nenhum cartão postal do mundo. Volto a Manoel de Barros, no mesmo livro já citado, ao falar de seu pantanal, de forma modesta: “o mundo meu é pequeno, Senhor. Tem um rio e um pouco de árvores”.

A Baixada Maranhense tem vocação natural para a grandeza. Por isso mesmo, engajada no desafio de tornar essa região ainda melhor e mais próspera, a Universidade Federal do Maranhão (já tivemos a oportunidade de escrever sobre isso noutro momento) faz sua parte: iniciou o que considero um novo ciclo de crescimento. O campus de Pinheiro, que antes funcionava com os cursos interdisciplinares em ciências humanas (com habilitação em História ou Filosofia) e naturais (com habilitação em Biologia), conta hoje com os de Medicina e Enfermagem e, mais recentemente, com o curso de Educação Física, que teve sua aula inaugural no dia 16 (segunda-feira). Essas três últimas graduações atenderão a uma demanda crescente de saúde de qualidade, o que propiciará um efeito catalisador à formação dos profissionais e à produção de conhecimento. E, ainda este ano, no segundo semestre, teremos a honra de iniciar o curso de Engenharia de Pesca em Cururupu, cidade cuja economia está intimamente ligada à pesca marítima.

Deus governa grandezas”, diz Guimarães Rosa pela boca de Riobaldo em “Grande sertão veredas”. O potencial da Baixada Maranhense, somado à fé e à coragem de seu povo, haverá de legar às próximas gerações uma herança de grandes conquistas, pois as esperanças mais incompatíveis podem conviver sem dificuldades, alerta Jorge Luís Borges. Que essas ações em favor daquela região encontrem corações maduros para que as sementes do crescimento e da prosperidade possam gerar bons frutos.

Crônica publicada no Livro Ecos da Baixada, páginas 36/38.

Natalino Salgado Filho

A Baixada ontem e hoje

Em 25 de outubro de 2019 21:21

Até os anos 60, a Baixada Maranhense ainda  conservava o seu ecossistema equilibrado, exuberante e farto. Rios e lagos navegáveis durante todo o ano, igarapés adentrando os campos, lagoas desaguando nos rios e estes na baía de São Marcos.

O transporte dessa região para as outras, inclusive para a Capital, era realizado exclusivamente pela navegação fluvial, lacustre e marítima. Não havia estradas de qualquer tipo, somente caminhos e veredas. As embarcações responsáveis pelo deslocamento de pessoas, animais, matérias-primas e mercadorias eram canoas, igarités, barcos, lanchas e batelões.

Nos pequenos trechos, carros de boi, cavalos, burros e jumentos. Dispersos pelos campos, pastavam bois, cavalos, bodes, porcos, patos e outros bichos. Ainda era possível, permitida, viável e fácil a mobilidade dos cabocos pelos campos baixadeiros sem as cercas de arames farpados. No verão, os caminhos empoeirados nos conduziam a lugares distantes e diversos, viajando a pé ou a cavalo; no inverno, transitava-se de canoa a remo ou à vara.

Posteriormente, chegaram os búfalos, criados em demasia e soltos nos campos. Em seguida, grandes áreas foram desmatadas e roçadas para fazer pastos e as cercas foram dificultando a vida dos cabocos da região, que logo se mudaram para as cidades mais próximas. Começou assim o processo de degradação do meio ambiente do Pantanal Maranhense. Estabeleceu-se, então, um silencioso ciclo de assoreamento de lagoas, igarapés e rios, devido, sobretudo, à nociva interferência humana.

Nos dias de hoje, é impraticável a navegação de médio calado. A lâmina de água nos lagos cada dia fica rasa e, consequentemente, peixes e outras formas de vida desaparecem em pouco tempo.

Nas áreas limítrofes com os rios e a baía de São Marcos, o mar e o mangue avançam a cada ano. O processo de salinização dos campos acarreta severos danos à fauna e a flora. A biodiversidade da Baixada Maranhense está ameaçada e suplica por um socorro urgente.

Apenas nos anos 70 surgiu a estrada carroçável que dá acesso à Capital, passando por Vitória do Mearim. E somente na década de 80 foram construídas pontes sobre os rios, libertando os viajantes das incômodas travessias de canoas e pontões.

Barcos e lanchas singravam a baía até São Luís abar- rotados de cargas, animais e passageiros mal acomodados e expostos a riscos de toda ordem, especialmente o perigo de naufrágios, como ocorreu em diversas tragédias.

Sobreveio o transporte via ferry boat: potentes, céleres e oferecendo maior segurança. Porém, continuam prestando um serviço com o mesmo padrão dos anos 80.

O fluxo migratório continua. Os jovens baixadeiros que partiram para estudarem em São Luís, com a expectativa de se graduarem e um dia retornarem, frustram-se em constatar que, em seus municípios de origem, as oportunidades de trabalho permanecem quase inexistentes.

A Baixada Maranhense necessita de um Plano de Desenvolvimento que contemple a universalização do conhecimento, da saúde, da pesquisa, da apreensão de novas tecnologias, capacitação, infraestrutura, logística e produção.

Tornou-se imperiosa a construção de ambientes institucionais em que as pessoas incorporem e convirjam sentimentos comuns do povo baixadeiro acerca das alternativas adequadas de intervenção nessa promissora região, a exemplo do Fórum em Defesa da Baixada Maranhense.

O ECO de nossas vozes se confunde com o de nossos ancestrais, retumbando pelos rios, igarapés, enseadas, campos, lagos e pela baía de São Marcos. Onde existe ECO, existe vida…existe esperança.

Crônica publicada no Livro Ecos da Baixada, páginas 32/34.

Expedito Moraes

Inicia nesta sexta a Exposição de ovinos e caprinos em São João Batista

Em 2 de outubro de 2019 23:20

A VIII Exposição de Ovinos e Caprinos, promovida pela  Associação dos Produtoras de Ovinos e Caprinos de São João Batista (APPOC), acontecerá no  período de 04 a 06 de outubro do corrente ano.

No ano passado o Fórum em Defesa da Baixada Maranhense (FDBM) se fez presente, inclusive com a presença da então presidente da entidade, Ana Creusa. Neste ano, segundo o Presidente João Martins, o 1º Secretário, David Cutrim,  representará o FDBM no evento.

O evento será marcado por palestras para alunos da Rede Municipal e Estadual de Ensino de São João Batista, com o zootecnista Nélio Freitas.

No dia 5, um café da manhã será oferecido aos participantes, seguido de palestras com vários profissionais. Enquanto que no dia 6, o evento segue com uma feira da agricultura família, bate-papo sobre o abate e cortes de ovinos e caprinos; palestras, cursos, desfiles de animais e festa de encerramento. 

Este ano, o evento conta com apoio do Governo do Maranhão, por meio da Agerp, Sebrae e da Prefeitura Municipal de São João Batista. De acordo com o superintende Articulação Política Luiz Everton, o secretário de Agricultura Familiar do Governo do Estado, Júlio Mendonça, deve participar da exposição.

Confira a programação completa abaixo:

 

Fonte: Blog de Jaílson Mendes.

João Martins assume a presidência do Fórum em Defesa da Baixada Maranhense

Em 2 de outubro de 2019 15:45

O presidente eleito possui credenciais para realizar uma gestão eficiente e comprometida com o desenvolvimento sustentável das microrregiões da Baixada e Litoral Ocidental maranhenses. Ele já exerceu funções de destaque, como o cargo de Diretor Superintendente do Sebrae, em que prestou relevantes serviços na área do empreendedorismo e formação de líderes, funções essenciais para progresso do país. João Batista Martins é natural de Bequimão, é sócio fundador do Fórum em Defesa da Baixada Maranhense (FDBM) e já exerceu o cargo de Presidente de Honra na instituição. Nesta oportunidade, atendendo a pedido dos forenses, João Martins aceitou concorrer ao cargo de Presidente do FDBM.

A eleição da 3ª diretoria do FDBM ocorreu no dia 28/09/2019 no espaço da Livraria AMEI no São Luís Shopping. Durante a solenidade, a então presidente, Ana Creusa, fez os agradecimentos aos forenses pela colaboração, ao tempo em que era exibida no telão uma retrospectiva da gestão que se despedia.  Em seguida foi realizada a eleição, bastante participativa, pois a assembleia saudava com aplausos cada nome anunciado pelo candidato à presidência. 

Os forenses elegeram como presidentes de honra, os dois primeiros presidentes do Fórum, Flávio Braga e Ana Creusa, como demonstração de harmonia e gratidão pelos serviços prestados.

Todos saíram da solenidade com a certeza de que o FDBM está em boas mãos, pois além das credenciais do presidente,  ele ainda conta com uma equipe multidisciplinar e valorosa de forenses, conforme se pode comprovar pela relação abaixo em que consta os eleitos para a Diretoria Executiva e Conselho Fiscal no biênio 2019-2021:

Presidente: João Batista Martins; 1º Vice-Presidente: Expedito Nunes Moraes; 2º Vice-Presidente: Antônio Lobato Valente; Presidente de Honra: Wewman Flávio Andrade Braga; Presidente de Honra: Ana Creusa Martins dos Santos; 1º Secretário: David Dérik Aguiar Cutrim; 2º Secretário: Alexandre Ayrton Muniz de Abreu; 1ª  Tesoureira: Estela Cristina Lima Ribeiro Ferreira; 2ª Tesoureira: Deuzenir Costa Carneiro Szekeresh. Membros Efetivos do Conselho Fiscal: 1) Jaílson Mendes Mota; 2) joão Muniz Silveira e 3) José Ribamar Gusmão Araújo. e Membros Suplentes do Conselho Fiscal: 1) Flaviomiro Silva Mendonça; 2) João Carlos da Silva Costa Leite e 3)Marlilde Mendonça Abreu.